João Sousa: 2.800 dias consecutivos no top 100, 2.800 dias de história

Millennium Estoril Open

A atualização do ranking ATP publicada nesta segunda-feira, 15 de março de 2021, é a primeira desde o dia 14 de julho de 2013 que não conta com o nome de João Sousa entre os 100 primeiros jogadores. Foram nada mais, nada menos do que 2.800 dias consecutivos entre a elite do ténis mundial, um registo ao alcance de muito poucos e que é reflexo da história que o melhor tenista português de sempre tem feito pelo mundo fora.

Aos 31 anos, João Sousa surgiu como 102.º classificado, um reflexo da espiral de azares em que entrou na reta final de 2019.

Em outubro desse ano, uma fratura no pé esquerdo fê-lo colocar um ponto final precoce na temporada quando era o número 59 do ranking ATP. Daí para a frente, a recuperação complicou-se, afetou a pré-época seguinte e entretanto a pandemia foi decretada. Quando o circuito foi retomado, no verão de 2020, o tenista vimaranense teve poucos meses de competição antes de sofrer uma tendinite no antebraço direito que o afastou dos últimos torneios do ano e culminou na temporada mais difícil da carreira, como o próprio afirmou. Já em 2021, adiou o regresso à competição para ganhar uma boa base, mas um teste positivo à covid-19 obrigou-o a falhar um torneio do Grand Slam pela primeira vez desde 2011 e a alterar significativamente a planificação.

E assim, 2.800 dias depois, este capítulo foi encerrado.

Entre 15 de julho de 2013 e 14 de março de 2021 passaram-se 400 semanas, das quais 378 contaram para o ranking (as restantes são “descartadas” devido ao congelamento da classificação por causa da pandemia).

A melhor classificação da carreira foi alcançada a 16 de maio de 2016, quando João Sousa subiu ao 28.º lugar, mas desde 30 de setembro de 2013 que é a ele que pertence o estatuto de português com melhor classificação de sempre nos circuitos mundiais: esse momento chegou quando subiu do 77.º para o 51.º lugar e ultrapassou o 59.º alcançado por Rui Machado dois anos antes (a 3 de outubro de 2011), fruto de uma semana histórica em Kuala Lumpur que lhe valeu o primeiro título em torneios ATP.

Daí para a frente, João Sousa jogou mais nove decisões, das quais venceu duas: Valência, em 2015, e o Millennium Estoril Open, em 2018, tornando-se também no primeiro português a conquistar um título ATP “em casa”.

Os 2.800 dias consecutivos no top 100 correspondem, também, a 28 participações em torneios do Grand Slam, com destaque para as quartas rondas em Nova Iorque, no ano de 2018, e em Londres, em 2019, sem esquecer as meias-finais de pares em Melbourne, na mesma época.

Durante este período, João Sousa também se tornou no primeiro português a competir exclusivamente no circuito ATP durante uma temporada completa (fê-lo pela primeira vez em 2014 e repetiu-o em 2015, 2016, 2017, 2018, 2019 e 2020), tal como no primeiro a ser cabeça de série num “Major” — o US Open de 2014 —, entre muitos outros recordes e registos assinalados ao longo dos últimos oito anos.

Total
10
Shares
Total
10
Share