Pedro Sousa qualifica-se para os Jogos Olímpicos de Tóquio e cumpre objetivo de carreira

Beatriz Ruivo/FPT

Aos 33 anos, Pedro Sousa (atual 121.º classificado no ranking ATP) recebeu, esta quarta-feira, a confirmação do tão desejado apuramento para os Jogos Olímpicos de 2020, que acontecem entre os dias 23 de julho e 8 de agosto de 2021 em Tóquio, no Japão.

A informação foi adiantada pelo Comité Olímpico de Portugal (COP) e a Federação Portuguesa de Ténis (FPT), que confirmaram que, depois de algumas desistências, o tenista lisboeta garantiu a vaga continental reservada ao melhor classificado de um país europeu que não conte com nenhum tenista apurado, uma vez que o ranking considerado para os Jogos Olímpicos de Tóquio é o de 14 de junho de 2021 (a segunda-feira a seguir a Roland-Garros).

Apesar de já não ocupar o primeiro lugar entre os portugueses (esta segunda-feira foi ultrapassado por João Sousa), Pedro Sousa figurava na primeira posição entre os compatriotas na atualização anterior, que definiu o cut-off para os Jogos Olímpicos.

Para além da Europa, também a Oceânia tem reservado um “bilhete continental” semelhante a este, enquanto os Jogos Pan-Americanos apuram dois tenistas, os Jogos Asiáticos um jogador e os Jogos Africanos igualmente um jogador. Os Jogos Olímpicos têm ainda um lugar reservado para um tenista “da casa” e outro para um ex-medalhado e/ou campeão de um torneio do Grand Slam (este ano ocupado por Andy Murray), com as restantes 56 posições a serem definidas pela classificação mundial.

No entanto, o Comité Olímpico Internacional e a Federação Internacional de Ténis têm estipulado um limite de quatro representantes por país independentemente dos restantes elementos estarem dentro do cut-off original, uma medida que “abre” vagas a vários tenistas de países com menor representação. Para estarem elegíveis, os tenistas também têm de ter participado em três eliminatórias da Taça Davis ou Fed Cup ao longo das temporadas de 2017, 2018, 2019 e 2020-21, com uma dessas representações a acontecer ou em 2019, ou em 2020-21.

Com a confirmação desta quarta-feira, Pedro Sousa cumpriu um objetivo de carreira — que foi referido pelo próprio e pelo treinador Rui Machado ao longo dos últimos meses — e tornou-se no primeiro tenista português a garantir a presença em Tóquio. João Sousa, que esteve no Rio de Janeiro em 2016 (tal como Gastão Elias), mantém vivas as esperanças de reservar um lugar nos Jogos Olímpicos pela segunda vez, até porque as desistências da edição deste ano têm aumentado e prometem continuar…

Total
108
Shares
Total
108
Share