Taça Davis. Portugal volta a perder fora de portas e vai ter de jogar o play-off do novo Grupo Mundial I

Fotografia: Belarus Tennis

A sorte voltou a não querer nada com Portugal e a seleção das quinas perdeu, este sábado, a 21.ª eliminatória da Taça Davis em 25 disputadas na condição de visitante desde o início do ano de 2000.

Em Minsk, capital da Bielorrússia, o dia até começou bem para as cores portugueses, mas na variante de singulares a conversa foi outra e, primeiro pela raquete de Egor Gerasimov (que venceu a batalha dos número 1 com João Sousa) e depois pela de Ilya Ivashka (que derrotou Pedro Sousa por 6-4 e 7-6[4]), a seleção da casa consumou a reviravolta para derrotar o selecionado luso por 3-2.

Bielorrússia 3 vs. 2 Portugal

  • Ilya Ivashka 6-4, 1-6 e 2-6 João Sousa
  • Egor Gerasimov 6-2 e 6-3 João Domingues
  • Ilya Ivashka/Andrei Vasilevski 3-6 e 6-7(6) João Sousa/Pedro Sousa
  • Egor Gerasimov 7-6(3) e 6-4 João Sousa
  • Ilya Ivashka 6-4 e 7-6(4) Pedro Sousa

Com este resultado, Portugal — que já tinha perdido na visita ao Cazaquistão, em fevereiro — terá de jogar o play-off do Grupo Mundial I. Esta fase da competição faz parte das alterações submetidas recentemente pela Federação Internacional de Ténis (ITF), é jogada em março e coloca frente a frente as equipas derrotadas no Grupo I e as vencedoras do Grupo II, determinando que conjuntos jogam, em setembro, os novos Grupo Mundial I e Grupo Mundial II.

Quanto à Bielorrússia, ganha o direito a jogar, em março de 2020, as Davis Cup Qualifiers — a nova ronda de apuramento para a fase final da competição (Davis Cup Qualifiers).

Gaspar Ribeiro Lança
gasparlanca@raquetc.com | Dar palavras a um encontro de dois, três, quatro ou cinco sets, com ou sem tie-break. Dar palavras a recordes, a histórias. Dar ténis a todos aqueles que o queiram. E mais, sempre mais. Por isso depois chegaram o padel e o squash. E assim cá estamos, no RAQUETC ("raquetecétera"). Como escreveu Fernando Pessoa nos anos 20, "primeiro estranha-se, depois entranha-se."