João Sousa falha terceira vitória e adia decisão do Portugal-Bielorrússia para o último singular

Fotografia: Belarus Tennis

Cenário complicado para Portugal a fechar a eliminatória da Taça Davis em Minsk: João Sousa teve na raquete a possibilidade de selar a vitória portuguesa, mas não o conseguiu fazer e assim o quinto e último encontro, entre os número 2 de cada país, será decisivo.

Depois de duas vitórias nos dois primeiros duelos que disputou — o primeiro na jornada de sexta-feira, em singulares, e o segundo já este sábado, em pares com Pedro Sousa —, o melhor tenista português de todos os tempos (atual número 64 ATP) não conseguiu superar o número um da casa, Egor Gerasimov (119.º), que em 1h27 venceu pelos parciais de 7-6(3) e 6-4 para manter viva a esperança bielorrussa.

Num palco com condições difíceis (a Bielorrússia apostou num piso extremamente rápido, fazendo uso do fator casa para dar essa vantagem aos seus protagonistas), não conseguiu criar uma única oportunidade de break. E se no primeiro set Gerasimov também não o conseguiu, sendo necessário um tie-break onde aí sim levou a melhor, no segundo parcial uma única quebra de serviço, logo ao terceiro jogo, deu ao tenista da casa a diferença suficiente para, com calma, construir a tão importante vitória.

Com este resultado, a Bielorrússia empata a 2 a eliminatória com Portugal e adia a decisão para o quinto e último encontro, para o qual os capitães de equipa escalaram, respetivamente, lya Ivashka (135.º) e João Domingues (179.º).

No entanto, os responsáveis de equipa podem proceder a alterações antes do começo do encontro, que decidirá que seleção seguirá para as Davis Cup Qualifiers (a ronda de apuramento para as Davis Cup Finals) e que conjunto será forçado a disputar o play-off do Grupo Mundial I no início de 2020.

Última atualização às 12h52.

Gaspar Ribeiro Lança
gasparlanca@raquetc.com | Dar palavras a um encontro de dois, três, quatro ou cinco sets, com ou sem tie-break. Dar palavras a recordes, a histórias. Dar ténis a todos aqueles que o queiram. E mais, sempre mais. Por isso depois chegaram o padel e o squash. E assim cá estamos, no RAQUETC ("raquetecétera"). Como escreveu Fernando Pessoa nos anos 20, "primeiro estranha-se, depois entranha-se."