Pedro Sousa não contraria favoritismo de Sergiy Stakhovsky e eliminatória fica empatada

Pedro Sousa
Fotografia: Fernando Correia/FPT

Ao final do primeiro dia do play-off do Grupo I da Taça Davis entre Portugal e Ucrânia, o mesmo resultado que no início da jornada: a igualdade. Depois de João Sousa abrir as hostilidades com a recuperação de um set abaixo, Pedro Sousa não conseguiu passar pelo melhor tenista da história da Ucrânia na competição.

À entrada para o segundo e último duelo desta sexta-feira, os números falavam por si: Sergiy Stakhovsky, que em 2010 chegou a ocupar o 31.º posto do ranking, é o jogador ucraniano com melhores registos na Taça Davis (recorde de vitórias em singulares — 27; recorde de vitórias em pares — 13; mais embates jogados — 29; mais anos na competição — 13) e a jogar em casa partia como favorito.

Mesmo se os tempos já não são aqueles em que o tenista natural de Kiev chegou a derrotar Roger Federer em Wimbledon, continua a ser um muito bom jogador, até à frente do número 2 português no ranking (é o 142.º, enquanto Pedro Sousa desceu 28 posições, para o 144.º posto).

E foi um muito bom jogador que esta sexta-feira apareceu no Campa Tennis Club, em Bucha, a apenas 20km da sua cidade natal. Sergiy Stakhovsky soube criar as suas oportunidades, aproveitá-las (quebrou por quatro vezes o serviço do português de 30 anos) e defender muito bem o seu serviço, com particular destaque para o arranque do segundo set, em que salvou três pontos de break e, no jogo seguinte, chegou à quebra de serviço que o ajudaria a chegar ao resultado final de 6-3 e 6-2.

Restabelecido o empate na eliminatória, todos os passos da jornada de sábado se revelarão decisivos para o desfecho deste confronto entre Portugal e Ucrânia — o 5.º da história (2 vitórias para cada lado). O encontro de pares será o primeiro da jornada, que tem início marcado para as 8h30 de Portugal Continental, tendo o capitão Andrei Medvedev escalado Denys MolchanovSergiy Stakhovsky para defrontarem João Sousa e Gastão Elias, os eleitos de Nuno Marques. Depois, os singulares invertem-se em relação ao dia de hoje.

Gaspar Ribeiro Lança
gasparlanca@raquetc.com | Dar palavras a um encontro de dois, três, quatro ou cinco sets, com ou sem tie-break. Dar palavras a recordes, a histórias. Dar ténis a todos aqueles que o queiram. E mais, sempre mais. Por isso depois chegaram o padel, o squash e o ténis de mesa. E assim cá estamos, no RAQUETC ("raquetecétera"). Como escreveu Fernando Pessoa nos anos 20, "primeiro estranha-se, depois entranha-se."