Dos autógrafos à vitória: Nick Kyrgios derrota ídolo e carimba presença nos oitavos de final

Nick Kyrgios
São já 7 as vitórias de Nick Kyrgios em 2017 / Fotografia: Australian Open

Em 2008, tinha ainda 13 anos, Nick Kyrgios foi a todos os treinos de Jo-Wilfried Tsonga durante o Australian Open. Esse foi o ano em que o francês atingiu a final do Grand Slam australiano e no qual o agora tenista da casa conseguiu uma bola autografada todos os dias. Esta sexta-feira, passada uma década, partilharam o court e foi ele quem venceu, para chegar pela segunda vez na carreira à quarta ronda do “seu” torneio.

O duelo contra o ídolo era o mais aguardado da jornada. Por isso, teve honras de sessão noturna em plena Rod Laver Arena (o maior court de Melbourne Park) e não a Hisense Arena, que é o terceiro maior estádio do complexo e o preferido de Nick Kyrgios pela atmosfera que se cria dentro das quatro paredes da “caixa”. O que não significou que o ambiente estivesse morno. Muito pelo contrário.

A jogar pela primeira vez este ano no maior palco do ténis australiano, o recém coroado campeão de Brisbane contou com o apoio de quase 15.000 espetadores — e até o ator Will Smith, que esteve nas bancadas a assistir ao encontro. E assim começou a construi aquela que, ao fim de 3h17, viria a ser uma grande vitória: os parciais de 7-6(4), 4-6, 7-6(6) e 7-6(5) colocam Nick Kyrgios na quarta ronda, onde vai defrontar Grigor Dimitrov — contra quem somou uma vitória no início do ano, rumo ao título em Brisbane.

Foi um encontro entusiasmante, muito entusiasmante, e que cumpriu com o que prometia. Conhecidos pelo ténis-espetáculo que são capazes de produzir mesmo nos momentos mais inesperados, quer Kyrgios, quer Tsonga alinharam pontos do mais alto nível que entrarão certamente para os melhores momentos do torneio.

[twitter_video id=”954310085601239040″]

Quer do fundo do court, com uma direita ou uma esquerda, quer mais à frente, à rede ou a caminho dela, o australiano (que é o 17.º do ranking) e o francês (que figura no 15.º posto) apontaram um total de 124 winners que refletem bem o teor ofensivo do embate.

Se Nick Kyrgios ganha pontos em relação ao ano anterior, em que caiu na segunda ronda, Jo-Wilfried Tsonga falha a defesa dos pontos alcançados em 2017, quando voltou aos quartos de final. No entanto, nem tudo são más notícias para o francês: na última época, ficou-se pela 1.ª ronda em Roland Garros, pela 3.ª em Wimbledon e pela 2.ª no US Open, pelo que este ano ainda terá várias oportunidades para tentar recuperar muitos pontos nos grandes palcos.

[twitter_video id=”954316383445110785″]
Total
2
Shares

Leave a Reply

Total
2
Share