Nuno Borges e Gonçalo Oliveira travados nos ‘quartos’ em Manama

A presença portuguesa no quadro de singulares do Challenger de Manama terminou esta sexta-feira, com o desaire dos dois representantes lusos em prova nesta variante: Nuno Borges (262.º) e Gonçalo Oliveira (288.º) não resistiram aos embates dos quartos de final e colocaram o ponto final nas suas campanhas no Barém.

O primeiro a ir a jogo foi Gonçalo Oliveira, que esteve à beira de selar o triunfo diante do indiano Ramkumar Ramanathan (222.º) mas sofreu uma penosa reviravolta. O portuense chegou a liderar no terceiro set por 5-3, a dois pontos do êxito, mas falhou nos momentos mais cruciais e não evitou a derrota, selada por 6-3, 4-6 e 7-5 ao cabo quase duas horas de jogo.

Também o compatriota Nuno Borges não teve um desfecho feliz, ao ceder diante do russo Evgeny Karlovskiy (302.º) em dois parciais. Foi o maiato a assumir a liderança do encontro logo na fase inicial e a dispor de um set point, mas o adversário recuperou e levou a decisão para tie-break, onde viria a ter mais sucesso. O segundo parcial ficou resolvido com apenas uma quebra sofrida pelo português, culminando para o resultado de 7-6(3) e 6-3.

Enquanto Gonçalo Oliveira faz as malas para Antália, Nuno Borges tem ainda um derradeiro compromisso pela frente no Golfo Pérsico: este sábado, vai unir-se ao compatriota Francisco Cabral na decisão do título de pares do Challenger de Manama, onde podem, juntos, adicionar o quarto título da carreira nesta variante.


Total
2
Shares
Total
2
Share