Gastão Elias vê Oeiras Open 125 como “uma semana que pode mudar completamente o resto do ano”

Sara Falcão/FPT

OEIRAS — Sem pressão, mas consciente de que o ATP Challenger 125 Oeiras Open pode influenciar o resto da temporada, Gastão Elias quer aproveitar a oportunidade de competir novamente em casa para conquistar vitórias e pontos que lhe permitam afastar-se de uma classificação que complica a calendarização.

“Não sinto pressão nenhuma, vejo sim esta semana como uma grande oportunidade, porque sei que fazer um bom resultado aqui pode mudar completamente os próximos meses e até o resto do ano. O importante é dar 100% e se tiver oportunidades aproveitá-las ao máximo”, explicou na conferência de imprensa que se seguiu à vitória em dois sets, por 7-6(3) e 6-4, contra Maxime Cressy.

Sobre o encontro com o norte-americano, detentor de um dos serviços mais rápidos do circuito, o tenista português fez uma análise positiva: “Não era uma primeira ronda nada fácil porque ele tem um estilo de jogo muito aleatório, com um grande serviço que tem muita diferença de nível para as pancadas de fundo do campo. Isso faz com que seja mais difícil encontrar o ritmo e a certa altura já não sabia se devia bater mais forte na bola ou metê-la dentro porque ele acabaria por errar.”

Chamado a detalhar um pouco mais sobre o primeiro encontro oficial que disputou nas últimas quatro semanas, Elias explicou que “não conhecia” o adversário desta segunda-feira e por isso precisou de fazer alguma pesquisa. “Nem sabia quem ele era, mas falei com várias pessoas e ontem disseram-me que era um jogador bastante alto, com um serviço e pancadas fortes, portanto treinei com o Leonardo Mayer, mas assim que o encontro começou cheguei à conclusão de que não tinha nada a ver (risos). Uma coisa que mudei drasticamente foi a zona da resposta, porque como ele fazia serviço-volley não tinha hipóteses se ficasse atrás e assim cortei tempo e ângulos. Demorei alguns jogos a apanhar o timing da resposta, mas fui melhorando e no geral foi um bom encontro.”

Já com 10 pontos “no bolso”, o equivalente a conquistar o título num ITF de 15.000 dólares, o ex-top 60 ATP vai ter pela frente o vencedor do encontro entre Federico Coria (terceiro cabeça de série) e o qualifier Alex Molcan. “Espero que se matem um ao outro”, desabafou, entre sorrisos, antes de apontar muitas qualidades a dois tenistas que considera serem “especialistas em terra batida.”

Total
5
Shares
Total
5
Share