João Sousa e o cancelamento do Estoril Open: “Foi triste porque é um torneio muito especial”

Joao_Sousa Raquetc
Fernando Correia/Millennium Estoril Open

Se numa primeira fase o Millennium Estoril Open foi apontado como um dos dois torneios que iriam marcar o regresso dos circuitos mundiais de ténis depois de uma breve interrupção devido ao coronavírus, com a propagação da pandemia o cancelamento tornou-se inevitável e deixou um ex-campeão particularmente triste.

Vencedor da (histórica) edição de 2018, João Sousa admitiu ao jornal A Bola tratar-se de “uma notícia triste”, até porque “no início, toda a gente pensava que íamos voltar no Millennium Estoril Open. Aliás, dado ser a primeira semana depois da suspensão inicial teríamos a melhor lista de todos os tempos.”

“Infelizmente não aconteceu. Foi triste porque é um torneio muito especial para mim mas certamente em 2021 virá mais forte”, acrescentou o número um nacional, que está em Guimarães, junto da família, “em quarentena voluntária há uns dias” e “a seguir à risca o que foi decretado”.

Na mesma entrevista, João Sousa também partilhou as suas dúvidas em relação à edição de 2020 dos Jogos Olímpicos.

Gaspar Ribeiro Lança
gasparlanca@raquetc.com | Dar palavras a um encontro de dois, três, quatro ou cinco sets, com ou sem tie-break. Dar palavras a histórias, a recordes. Dar ténis a todos aqueles que o queiram. E mais, sempre mais — por isso depois chegaram o padel, o ténis de mesa e o squash. E assim cá estamos, no Raquetc ("raquetecétera"). Como escreveu Pessoa, "primeiro estranha-se, depois entranha-se."