Djokovic reconhece que Federer é “um exemplo a seguir” pelo que continua a fazer

Novak Djokovic não poupou elogios a Roger Federer depois da derrota para o suíço na fase de grupos do Nitto ATP Finals, um encontro que não só o afastou do “Torneio dos Maestros” como colocou um ponto final na luta pelo primeiro lugar do ranking — que será de Rafael Nadal até 2020.

Na conferência de imprensa, o tenista sérvio de 32 anos reconheceu que o que o arquirrival continua a fazer aos 38 anos lhe dá motivação: “Tenho a maior das admirações por ele e pelo que faz no court. O que tem alcançado é fenomenal. É um exemplo a seguir até por mim, que sou um dos seus rivais. Ele inspira-me e mostra-me que é possível.”

Djokovic não ficou satisfeito com a prestação desta sexta-feira e tem motivos de preocupação quando falta apenas mais uma etapa para concluir a temporada de 2019. Mas não se vai deixar atormentar por este desaire:

“Já joguei contra o Roger e o Rafa mais de 50 vezes e perdi muitos encontros. Todas as derrotas são dolorosas mas quando jogas contra os teus maiores rivais isso acrescenta um sabor extra tanto às vitórias como às derrotas, mas no final do dia somos profissionais e já tenho a experiência necessária para saber superar estas derrotas e procurar uma nova oportunidade já amanhã” afirmou.

Última atualização às 22h36.

Gaspar Ribeiro Lança
gasparlanca@raquetc.com | Dar palavras a um encontro de dois, três, quatro ou cinco sets, com ou sem tie-break. Dar palavras a histórias, a recordes. Dar ténis a todos aqueles que o queiram. E mais, sempre mais — por isso depois chegaram o padel, o ténis de mesa e o squash. E assim cá estamos, no Raquetc ("raquetecétera"). Como escreveu Pessoa, "primeiro estranha-se, depois entranha-se."