Chun Hsin Tseng, o “menino” envergonhado que é o melhor dos juniores e está em Portugal

Chun-Hsin-Tseng-2
Fotografia: Margarida Moura/Federação Portuguesa de Ténis

BRAGA – Um ano depois de Alex de Minaur, Félix Auger-Aliassime e Casper Ruud terem brilhado na primeira edição do Braga Open, o maior torneio de ténis organizado no Norte do país volta a ter uma estrela da nova geração a “desfilar” pelos seus courts.

Chun Hsin Tseng pode (ainda) não ser tão mediático quanto os seus contemporâneos, mas o currículo já fala por si e é mais do que suficiente para que o tenista do Taipé reúna sob o seu ténis os olhares dos mais variados curiosos que vão passando pelo Clube de Ténis de Braga. Nas bancadas, e bem identificados, estão Yu Te Tseng e Kimi Tiilikainen.

O pai e o treinador finlandês vestem camisolas da Mouratoglou Tennis Academy, a academia de Patrick Mouratoglou (o treinador de Serena Williams e não só) no Sul de França à qual pertence o tenista natural de Taiwan, que entretanto também já assinou pela famosa IMG. Mas há mais: aos 17 anos, Tseng — que não hesita em dizer que tanto pode ser chamado de Chun Hsin como de Jason — faz parte da restrita Team Mouratoglou.

A equipa reúne cinco nomes de luxo — Stefanos Tsitsipas, Alexei Popyrin, Rudolf Molleker, Cori Gauff (que tem 15 anos e já liderou o ranking mundial de juniores) e o próprio Chun Hsin Tseng — e foi criada com o objetivo de cobrir as mais variadas despesas relacionadas com as carreiras destes jogadores.

Porque tem apenas 17 anos e o inglês não é a sua língua mãe, não é surpreendente encontrá-lo retraído. Mas a conversa rapidamente flui e, apesar de parco em palavras, Chun Hsin Tseng consegue transmitir a humildade que o caracteriza mas também as suas ambições.

Quer “continuar a trabalhar o que tenho feito nos treinos e usar isso nos encontros para melhorar todos os dias e chegar ao top 200 ainda este ano”, como revelou ao Raquetc, até porque só assim poderá começar a disputar este tipo de provas sem precisar de pedir wild cards às organizações — uma vez que com as novas regras do circuito as fases de qualificação passaram a ter apenas quatro lugares.

Esta segunda-feira, Chun Hsin Tseng correspondeu à aposta da organização — que lhe atribuiu um wild card para o quadro principal de singulares — ao superar um desafio muito difícil na primeira ronda. E depois do encontro confessou que os títulos nos torneios de Roland Garros e Wimbledon, em 2018, o “ajudaram muito porque aconteceram em grandes estádios e foram grandes oportunidades de jogar nos melhores e maiores torneios do mundo e isso deu-me muita confiança.”

Gaspar Ribeiro Lança
gasparlanca@raquetc.com | Dar palavras a um encontro de dois, três, quatro ou cinco sets, com ou sem tie-break. Dar palavras a histórias, a recordes. Dar ténis a todos aqueles que o queiram. E mais, sempre mais — por isso depois chegaram o padel, o ténis de mesa e o squash. E assim cá estamos, no Raquetc ("raquetecétera"). Como escreveu Pessoa, "primeiro estranha-se, depois entranha-se."