ITF e Piqué unem forças e anunciam plano que transforma Taça Davis num Campeonato do Mundo

Taça Davis Gerard Piqué
Gerard Piqué, o icónico futebolista do Barcelona, é um dos envolvidos nesta proposta / Fotografia: Twitter oficial do jogador

É uma mudança radical: por via do seu website oficial, a Federação Internacional de Ténis (ITF) anunciou uma parceria de 25 anos com o grupo de investimento Kosmos, do futebolista Gerard Piqué, envolvendo o montante exorbitante de 3 biliões de euros e que tem como fim provocar alterações drásticas e inéditas naquele que é hoje o panorama global do ténis internacional — e, mais especificamente, na Taça Davis.

Isto porque o acordo entre as duas entidades tem como principal objetivo a transformação do formato atual da Taça Davis num Campeonato do Mundo por equipas a realizar-se no final de cada temporada e que visa a coroação do país vencedor da competição como campeão do mundo.

A proposta ainda está pendente de aprovação — terá de receber dois terços dos votos na Assembleia Geral que se realizará já no próximo mês de agosto –, o que, a acontecer, implicará mudanças fortes no Grupo Mundial da Taça Davis já a partir de 2019. A partir desse ano, a prova teria lugar ao longo de uma semana no mês de novembro, sendo disputada por 18 seleções: 16 proveninetes do Grupo Mundial automaticamente qualificadas e 2 resultantes de um playoff entre equipas do Grupo I.

Isto é uma completa revolução para a ITF e para o ténis. A nossa direção apoiou um plano ousado e ambicioso para o futuro da Davis Cup, um dos eventos mais importantes e queridos no desporto”, começou por dizer David Haggerty, Presidente da ITF.

“A nossa visão é criar um grande final de temporada, que será um festival de ténis e entretenimento que inclui os melhores jogadores do Mundo a representar os seus países para se decidir o campeão da Taça Davis”, explicou antes de sublinhar que esta pareceria irá pulverizar “recordes ao nível do investimento tendo em vista as futuras gerações de tenistas e de fãs por todo o Mundo”.

A influência da Kosmos, por via do seu co-fundador e presidente Gerard Piqué

Na verdade, as discussões e rumores relativos a todas estas alterações remontam há vários meses. Tudo começou no interesse do famoso futebolista Gerard Piqué em criar o referido modelo de Campeonato do Mundo por equipas. Ora, a estrela do Barcelona é co-fundador e presidente da Kosmos, grupo que por sua vez é apoiado pela gigante japonesa Rakuten, empresa patrocinadora oficial do clube catalão.

A proposta, na sua origem, tinha como premissa base a independência relativamente à Taça Davis, apresentando-se como uma resposta à falta de mudanças e melhoramentos da prova. Ao mesmo tempo, recebeu o apoio de jogadores de elite como Andy Murray e Rafael Nadal, o que facilmente tornou a proposta uma natural ameaça à atual Taça Davis.

Terminado o período de rumores, conhece-se finalmente o contorno da proposta: uma união entre a ideia do icónico futebolista espanhol e a direção da Federação Internacional de Ténis.

Resta dizer que, e de acordo com o que a ITF também anunciou, não estão previstas alterações às restantes fases da competição. Isto é, os Grupos I (onde está, por exemplo, Portugal) e II continuarão a ser disputados ao longo de três semanas no calendário tenístico, com os Grupos III e IV a manterem igualmente os seus formatos.

António Vieira
Natural de Lisboa e licenciado em Gestão, vê no Ténis uma extraordinária modalidade com vasto potencial a ser explorado em Portugal. Tem como principal objetivo a contribuição no seu crescimento partilhando com o Mundo a sua espetacularidade.