O sonho comanda a vida e Alex de Minaur já só está a uma vitória de o concretizar

Alex de Minaur

Sydney, 17/02/1999: o mundo deu as boas vindas a Alex de Minaur
Sydney, 12/01/2018: Alex de Minaur chega à final do “seu” torneio

Não é um sonho, não é uma história, é a realidade: Alex de Minaur derrotou Benoit Paire, por 4-6, 6-1 e 6-1, e está na final do ATP 250 de Sydney. Aos 18 anos, por si só já seria motivo mais do que suficiente para resultar num acontecimento de (muito) relevo — e a este juntam-se ainda outros fatores.

É que a vitória desta sexta-feira traduz-se na sétima do jovem tenista australiano nos oito encontros já disputados em 2018, uma época que começa com as meias-finais no torneio de Brisbane e, agora, a final em Sydney (a cidade que o viu nascer e onde joga verdadeiramente em casa).

Comandado pelo sonho de singrar no circuito profissional masculino, de Minaur começou a época embalado pela vitória no play-off de atribuição de um wild card para o Australian Open. Desde aí, cresceu para o mundo, para o circuito e para os adversários e só nestas duas semanas juntou um currículo como muitos não conseguem ao longo de toda uma carreira.

Enquanto em Brisbane derrotou Steve Johnson, Milos Raonic e o também surpreendente Michael Mmoh antes de cair perante Ryan Harrison em três parciais muito equilibrados, em Sydney a prestação do jovem “Aussie” já se prolongou por mais uma fase: começou deixou pelo caminho Fernando Verdasco, Damir Dzumhur, Feliciano López e, agora, Benoit Paire. O sempre imprevisível Benoit Paire, que lhe arrancou o primeiro set (foi a primeira vez esta semana que foi a três parciais) e por momentos pareceu pronto a terminar a fantástica campanha do jogador da casa.

Mas, tal como já provara nas exibições anteriores, de Minaur tem nervos de graúdo e fez frente ao gaulês o que este muitas vezes falha quando a ocasião o exige: correspondeu a todo o seu potencial no momento mais importante e “puxou” dos galões para concretizar a reviravolta. 4-6, 6-1, 6-1 e um match point que tem tanto de inacreditável quanto de magnífico. É ver para crer:

Se a 1 de janeiro era o 208.º do ranking, com a vitória desta sexta-feira Alex de Minaur já está na 127.ª posição. Uma vitória na final de amanhã pode fazê-lo chegar ao 101.º lugar, mas para isso tem de ultrapassar uma batalha #NextGen com o russo Daniil Medvedev (84.º do ranking), que surpreendeu o favorito Fabio Fognini por 2-6, 6-4 e 6-1.

Atualizado às 11h58.

Gaspar Ribeiro Lança
gasparlanca@raquetc.com | Dar palavras a um encontro de dois, três, quatro ou cinco sets, com ou sem tie-break. Dar palavras a recordes, a histórias. Dar ténis a todos aqueles que o queiram. E mais, sempre mais. Por isso depois chegaram o padel, o squash e o ténis de mesa. E assim cá estamos, no RAQUETC ("raquetecétera"). Como escreveu Fernando Pessoa nos anos 20, "primeiro estranha-se, depois entranha-se."