Nick Kyrgios irritado com chamada do árbitro de cadeira: “Estás a ser ridículo”

Nick Kyrgios volta a estar esta quinta-feira nas bocas do mundo pelas piores razões: o irreverente tenista australiano contestou uma decisão do árbitro de cadeira do seu encontro da primeira ronda do ATP 500 do Queen’s Club, chegando mesmo a tecer palavras menos bonitas na sua direção.

Tudo se passou quando o marcador ditava 5-4 no primeiro parcial e Kyrgios beneficiava de um set point no jogo de serviço de Roberto Carballes Baena: o espanhol terá, segundo o atleta natural de Camberra, colocado o seu segundo serviço fora dos limites mas o responsável máximo, Fergus Murphy, assim não considerou, o que despoletou uma reação impetuosa do antigo quarto-finalista de Wimbledon e Australian Open.

“Estás a ser ridículo”, começou por atirar o jogador aussie de 24 anos de idade. “A bola foi claramente fora, fora de brincadeiras. Não estou a gozar. O que é que estás a fazer? É bastante fora. O que é que andas a fazer aí sentado? Recuso-me a jogar”, vincou depois em protesto antes de prosseguir o seu ataque ao responsável irlandês e aos outros oficiais.

“Isto é uma piada, sinceramente. Uma brincadeira séria. O teu boné é estúpido, também. Quer dizer, nem sequer está sol. Não vou dar 100% quando tenho o juiz de linha a desajustar o jogo. Não quero jogar. Eles estão a ser ridículos. Depois vocês pensam porque é que não tento metade das vezes. O set tinha literalmente acabado, ele cometeu uma dupla falta. Porque é que ainda estou a jogar com 5-5? Uma piada absoluta. Ainda por cima o serviço do rapaz foi lento. Não percebo”, continuou a disparar.

Kyrgios, que disse ainda não querer falar com Fergus Murphy e que o juiz de linha estava a fazer as coisas de propósito, acabaria por, apesar de mais algumas bocas e descontentamentos direcionados principalmente ao árbitro de cadeira, triunfar no primeiro encontro da jornada dupla, por 7-6(4) e 6-3, tendo horas mais tarde sido eliminado pelo canadiano Félix Auger-Aliassime na segunda eliminatória.

Avatar
Natural da Ilha do Pico, Açores. Estudante do 3.º ano do curso de Direito da Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa. Amante e seguidor de ténis desde a adolescência.