Depois de Pedro Sousa, também João Sousa se despede de Barcelona com uma reviravolta

Fotografia: Fotojump

Ainda não foi desta que João Sousa (50.º) voltou a ganhar um encontro no quadro principal de singulares do Barcelona Open Banc Sabadell. À semelhança do compatriota Pedro Sousa, na jornada anterior, o vimaranense também entrou bem mas sofreu uma reviravolta que o afastou da prova na primeira ronda.

Vindo de uma derrota pesada no Masters 1000 de Monte Carlo, tudo parecia indicar que o Conquistador ia somar a terceira vitória em três encontros disputados em 2019 com Guido Pella (28.º). Mas o argentino — que foi uma das figuras da semana passada no principado, onde chegou aos quartos de final — nunca desistiu e acabou por lhe arrancar a reviravolta: 3-6, 7-6(1) e 6-2 foram os parciais.

Na verdade, o duelo entre o português e o argentino desenrolou-se de forma muito semelhante ao de Pedro Sousa e Jaume Munar na jornada anterior: o tenista português entrou bem no encontro, dominou durante toda a primeira partida e pareceu bem encaminhado para a vitória.

Mas acabou por não conseguir manter a vantagem e, depois de ter liderado por um set e um break, viu Pella recuperar para igualar o encontro numa partida extremamente equilibrada que lhe deu fôlego para partir para a vitória já de forma relaxada.

Esta é a quarta vez consecutiva em que João Sousa se despede do ATP 500 de Barcelona com uma derrota no encontro de estreia. Em 2016 e 2017 esse encontro só aconteceu na segunda ronda (teve um bye por ser cabeça de série), enquanto em 2018 e 2019 caiu mesmo na primeira eliminatória do quadro.

Agora, segue-se a estreia no quadro de pares — ao lado de Dominic Thiem desafia os primeiros cabeças de série Lukasz Kubot e Marcelo Melo — e depois a viagem para Portugal para defender o título conquistado há um ano no Millennium Estoril Open. E depois do torneio português tem várias oportunidades de voltar a pontuar e subir na tabela classificativa, uma vez que até setembro de 2018 só voltou a pontuar em Antália (45 pontos) e Chengdu (90).

Atualizado às 02h30 de quarta-feira.

Gaspar Ribeiro Lança
gasparlanca@raquetc.com | Dar palavras a um encontro de dois, três, quatro ou cinco sets, com ou sem tie-break. Dar palavras a recordes, a histórias. Dar ténis a todos aqueles que o queiram. E mais, sempre mais. Por isso depois chegaram o padel e o squash. E assim cá estamos, no RAQUETC ("raquetecétera"). Como escreveu Fernando Pessoa nos anos 20, "primeiro estranha-se, depois entranha-se."