Toni Nadal sobre Rafa: “Não é imbatível, mas é muito difícil de bater”

Toni--Nadal--
Fotografia: Alejandro García

Toni Nadal acertou no prognóstico que ele próprio fizera antes da final de Roland Garros entre o seu sobrinho, Rafael Nadal, e o austríaco Dominic Thiem.

“Disse-lhe que ganharíamos em três sets. Não o teria dito no papel de treinador, mas na qualidade de tio, nunca duvidei da vitória do Rafa, porque não era de todo fácil para Thiem, que disputou a sua primeira final [num Grand Slam] frente a um adversário muito duro. Com todo o respeito, Thiem teria que jogar muito bem [para vencer]”, comentou o antigo treinador do número 1 do mundo, citado pelo jornal Marca.

Nadal é o melhor tenista da história da modalidade a jogar em terra batida e já conquistou o Grand Slam parisiense por 11 vezes. É imbatível em Paris? O tio responde: “Não é imbatível, mas é muito difícil de bater, pois é um pouco melhor do que os outros”, observou, de forma modesta.

Mas o mais importante, segundo diz, é mesmo ir aumentado o pecúlio de conquistas. “O Rafael jogou melhor do que o seu opositor, mas isso é o que menos interessa. Numa final, o importante é vencer. O que fica é a vitória, e não se foi em três, quatro ou cinco sets, ou quem jogou melhor”, sublinhou, em declarações veiculadas pelo jornalista Daniel Vitale.

À Marca, Toni Nadal disse ainda que apesar de já não orientar o seu sobrinho, era impossível assistir a esta final sem ponta de nervos. “É impossível estar relaxado numa final a partir do momento em que tens um familiar a jogar”.

João Correia
Licenciado em Sociologia e Mestre em Comunicação, Cultura e Tecnologias de Informação (ISCTE). Privilegiado por viver numa das melhores eras da história da modalidade.