Pedro Sousa sofre reviravolta e falha final do Lisboa Belém Open

LISBOA – É o fim de uma série vitoriosa de grande importância para Pedro Sousa: o número 3 nacional, que procurava a segunda final consecutiva em torneios Challenger, sofreu a reviravolta e acabou eliminado por Christian Garin (5-7, 7-5 e 6-4) nas meias-finais do Lisboa Belém Open, o “seu” torneio.

Parecia tudo bem encaminhado para o tenista português de 29 anos, que jogava em casa mais do que em qualquer outra semana, chegar a mais uma final. Mas no ténis, já se sabe, nada está decidido até o árbitro de cadeira “cantar” game, set and match e o jovem chileno Christian Garin nunca desistiu, conseguindo sair por cima de uma grande batalha em que Pedro Sousa esteve a um jogo da vitória.

Até ao 5-4 do segundo parcial, Sousa tinha o encontro no comando. Mesmo com uma ou outra quebra de serviço, era ele quem estava por cima e conseguia criar mais dificuldades ao adversário. Mas a perda do serviço ao 12.º jogo mudou o rumo da batalha, permitindo ao chileno uma “lufada de ar fresco” que o fez entrar bem no set decisivo.

Com muitos breaks (quatro nos quatro primeiros jogos e sete no total), foi uma luta mais psicológica do que tenística e aí foi o jovem de 21 anos quem se revelou mais forte, acabando por conseguir impingir nova quebra de serviço ao 5-4 para, no jogo seguinte, selar a contenda.

A vitória sobre Pedro Sousa permite a Christian Garin aceder à terceira final da carreira em torneios de nível Challenger, depois de se sagrar campeão em Lima, no Perú, no ano de 2016 e de, já esta época, ter sido vice-campeão em Morelos, no México.

Atualizado às 14h26.

Gaspar Ribeiro Lança
gasparlanca@raquetc.com | Dar palavras a um encontro de dois, três, quatro ou cinco sets, com ou sem tie-break. Dar palavras a recordes, a histórias. Dar ténis a todos aqueles que o queiram. E mais, sempre mais. Por isso depois chegaram o padel, o squash e o ténis de mesa. E assim cá estamos, no RAQUETC ("raquetecétera"). Como escreveu Fernando Pessoa nos anos 20, "primeiro estranha-se, depois entranha-se."