Rui Machado: “O Pedro teve o mérito de se manter sempre bastante concentrado”

BRAGA – Chegou ao fim a primeira edição do Braga Open. O título ficou nas mãos de um tenistas nacional, com Pedro Sousa a levantar o tão ambicionado troféu após uma brilhante caminhada pelo Clube de Ténis de Braga que se resumiu em cinco vitórias em cinco encontros de singulares.

No final da partida, o Raquetc falou com Rui Machado, que assume na Federação Portuguesa de Ténis o cargo de Diretor Técnico Nacional. O algarvio, além de analisar a vitória do seu pupilo, falou da forma como correu o torneio bracarense, fazendo um balanço bastante positivo da prova.

“O balanço é super positivo, foi uma semana em que correu tudo bem. Toda a equipa que se montou para o torneio mostrou sempre grande disponibilidade para resolver qualquer questão. Tive um muito bom feedback dos jogadores que estiveram aqui, todos ficaram muito agradados com as condições que aqui estiverem. Iniciativas como esta são sempre boas para o ténis. Mostrámos mais uma vez que os torneios em Portugal ajudam o ténis nacional. Foram todos resultados muito positivos”, referiu, destacando não só a vitória de Pedro Sousa como também os excelentes resultados dos restantes portugueses.

Quanto ao encontro, já na pele de treinador, Rui Machado considerou que o facto de Pedro Sousa se ter mantido concentrado e nunca ter perdido o norte, apesar do resultado a certa altura não pender para o seu lado, acabou por fazer a diferença a seu favor.

“Uma final é sempre difícil. Era complicado que o Pedro tivesse mantido o nível inicial até ao fim. Houve alterações nas condições do jogo, com a chuva que se começou a sentir. Também é preciso dizer que o adversário do Pedro reagiu muito bem no principio do segundo set e teve mérito”, recordou.

“O Pedro depois começou a sentir um pouco mais o jogo, é uma final, há sempre pressão. Jogou um pouco mais curto, mas teve o mérito de se manter sempre bastante concentrado, adaptar-se às condições e fazer um grande terceiro set“, destacou o ex-número um nacional.

Pedro Sousa conquistou em Braga o primeiro Challenger da temporada e quarto da carreira.

Se esta semana terminou da forma perfeita, a anterior foi precisamente o contrário, com o lisboeta a ser relegado do Millennium Estoril Open pelo eventual campeão, João Sousa, de forma amarga. Apesar de todas as circunstâncias, o número três nacional reagiu com o uma vitória em Braga, algo apenas possível pela capacidade que o tenista de 29 anos teve de ‘atirar’ essa derrota para trás das costas.

“Sabíamos que era uma semana difícil, que a derrota tinha sido muito pesada. Eu sei por experiência própria que há derrotas muito difíceis de digerir e o Pedro teve a capacidade de digeri-la da melhor forma. Pouco a pouco foi-se aguentando no torneio e acaba com uma semana vencedora. Não sei se apagará a derrota, mas sei que pelo menos ajudará a seguir em frente. Foi sem dúvida uma semana difícil para o Pedro”, considerou Rui Machado.

Por fim, sobre o nível que o número 144 mundial tem apresentado nas últimas semanas, Rui Machado afirma que está bastante elevado e que a perspetiva é que Pedro Sousa mantenha a consistência exibicional nos próximos torneios.

“O Pedro já há três quatro semanas que está com um nível muito alto. Mesmo antes do torneio de Tunis já estava a jogar muito bem, voltou a jogar muito bom ténis no Estoril Open e agora aqui. Agora é manter o trabalho, tentar ser mais consistente que o ano passado e alcançar melhores resultados”, perspetivou.

Francisco Semedo
A tirar a licenciatura em Turismo na Universidade Europeia, desde cedo se interessou pelo ténis. Começou aos 9 e desde então tem um olhar atento e constante de tudo o que se passa naquela que considera ser a melhor modalidade a todos os níveis.