Djokovic afirma que regresso de Vajda traz-lhe tranquilidade em court

Djokovic MonteCarlo
Fotografia: Rolex Monte-Carlo Masters

Pela primeira vez desde o Australian Open, Novak Djokovic voltou a saborear esta segunda-feira um triunfo no circuito mundial. A estreia do antigo número 1 da hierarquia ATP e duas vezes campeão em Monte Carlo foi rápida, eficiente e sem sobressaltos. E foi o primeiro encontro que disputou com Marián Vajda novamente no seu camarote.

“Senti falta dele e acho que ele também sentiu a minha e do ténis também. Sinto-me mais seguro em court. É como uma primeira vez para ambos. Ele é meu amigo e conhece-me melhor do que qualquer outra pessoa com quem já trabalhei”, referiu em conferência de imprensa, destacando o nível exibicional apresentado frente ao seu compatriota Dusan Lajovic: “Foi um bom desempenho. Joguei muito pouco nos últimos 10/12 meses e vocês podem constatar que ainda estou com falta de ritmo”, apontou.

Apesar de ter realizado uma boa exibição, Djokovic está ainda evidentemente muito longe do ténis demolidor exibido em tempos. “Joguei abaixo do nível desejado, mas foi uma boa maneira de começar o torneio. Serviu de inspiração”, observou.

A saída de Andre Agassi e Radek Stepanek da equipa técnica de Novak Djokovic também foi motivo de conversa com os jornalistas. “A decisão de terminar a relação profissional com Andre e Radek não afeta os nossos relacionamentos pessoais. A separação foi o melhor para mim e para eles. Não sabia que direção queria tomar e não quis que isto os afetasse”, comentou.

A próxima eliminatória já deverá ser mais trabalhosa para o tenista sérvio de 30 anos, uma vez que do outro lado da rede estará o croata Borna Coric.

João Correia
Licenciado em Sociologia e Mestre em Comunicação, Cultura e Tecnologias de Informação (ISCTE). Privilegiado por viver numa das melhores eras da história da modalidade. Contacto: joaocorreia@raquetc.com