ATP 250 de Nova Iorque adere à “moda” e vai ter campos pretos

NYCBLive, o recinto que vai acolher o novo ATP 250 de Nova Iorque
Será o primeiro torneio da história do circuito masculino a jogar-se em campos pintados de preto

Uma novidade a dobrar: em fevereiro, a cidade de Nova Iorque vai acolher a primeira edição do New York Open, que em simultâneo se tornará no primeiro torneio da história do ATP World Tour a ser jogado em courts pretos.

Marcado para a semana entre 9 e 18 de fevereiro, o mais recente evento do calendário do circuito mundial masculino está a apenas 50 dias de distância. E a organização quer arrancar “em grande”, apostando por isso na cor inovadora para os campos que já estão a ser instalados no NYCB LIVE.

Imagens do processo de construção dos courts (clique para aumentar):

No website oficial, a organização do torneio explica que os campos estão a ser preparados na Alemanha. Depois, serão divididos em 425 peças e transportados para Nova Iorque, onde farão história.

Se é verdade que serão uma novidade no circuito ATP, também o é que campos pretos já foram vistos por fãs um pouco de todo o mundo. Mais precisamente na edição inaugural da Laver Cup, o torneio que se realizou em Praga e que viu a Europa de Roger Federer, Rafael Nadal e “companhia” ganhar à equipa Mundo, de Nick Kyrgios e Jack Sock, entre outros.

Inauguração de gala

Porque é de Nova Iorque — a cidade que nunca dorme — que se trata, a noite de inauguração do New York Open promete estar à altura de qualquer evento de maiores dimensões.

John McEnroe, James Blake, Sloane Stephens (a campeã do US Open) e Genie Bouchard já estão confirmados para o dia 11 de fevereiro, mas dentro do campo, a competir pelo verdadeiro torneio, as atenções estarão focadas em Kei Nishikori, John Isner, Sam Querrey, Ryan Harrison, Bob e Mike Bryan, Hyeon Chung e Noah Rubin. São estes os jogadores já confirmados na primeira edição.

Gaspar Ribeiro Lança
gasparlanca@raquetc.com | Dar palavras a um encontro de dois, três, quatro ou cinco sets, com ou sem tiebreak. Dar palavras a recordes, a histórias. Dar ténis a todos aqueles que o queiram. E mais, sempre mais. Por isso depois chegou o padel, o squash e o ténis de mesa. E assim cá estamos, no RAQUETC ("raquetecétera"). Como escreveu Fernando Pessoa nos anos 20, "primeiro estranha-se, depois entranha-se."