Krejcikova salva sete match points e defronta Badosa na final de Sydney

A checa Barbora Krejcikova e a espanhola Paula Badosa são as finalistas da edição de 2022 do WTA 500 de Sydney. As meias-finais foram disputadas esta sexta-feira, com a campeã de Roland-Garros a prevalecer num encontro absolutamente épico e com Badosa a confirmar a boa semana com uma grande exibição e mais um apuramento para uma final.

No primeiro encontro da jornada, Krejcikova — número quatro mundial e terceira cabeça de série — começou da pior maneira possível diante de Anett Kontaveit (7.ª WTA), a quarta favorita ao título, e sofreu um “pneu” logo no primeiro set. A tenista checa recompôs-se na segunda partida e um único break na reta final foi suficiente para forçar um terceiro parcial que terminou de forma dramática.

Krejcikova foi a primeira a chegar ao break e adiantou-se por 2-1, mas Kontaveit fez o contra-break e manteve tudo igual. A tenista da Estónia chegou mais tarde ao 6-5 e Krejcikova teve de servir para forçar o tiebreak e se manter no encontro. Nesse momento, Kontaveit descobriu os primeiros três match points, todos eles salvos pela checa, que conseguiu forçar o tiebreak.

Num longo desempate, que atingiu contornos épicos, Krejcikova fez o primeiro mini-break para chegar ao 5-4 e serviu para 6-4, o que lhe deu dois match points. Ao serviço, a checa desperdiçou o primeiro e também veio a desperdiçar o segundo. Pouco depois, match point para Anett Kontaveit, o quarto no encontro. Krejcikova manteve-se viva, chegou ao 8-7 e dispôs de uma terceira chance para vencer. Kontaveit voltou a dar a volta e descobriu o quinto match point a 9-8, mas não converteu. O sexto match point chegou ao 10-9, mas voltou a não converter. Krejcikova deu a volta, chegou ao 11-10 e teve a quarta oportunidade para fechar o encontro, ao serviço, mas cedeu. Kontaveit atingiu depois o sétimo match point a 12-11 e ao serviço, mas perdeu dois pontos de serviço consecutivos e o quinto match point para Krejcikova surgiu a 13-12, com a checa finalmente a converter e a fechar um embate épico em pouco mais de duas horas e 30 minutos por 0-6, 6-4 e 7-6[12].

Depois do drama em que terminou a primeira meia-final, o encontro entre Paula Badosa e Daria Kasatkina (26.ª WTA) foi bem diferente. A tenista espanhola assumiu as despesas do encontro desde o primeiro instante e avançou para uma exibição muito bem conseguida.

No primeiro set, Badosa teve uma vantagem de 4-0 — com duplo break — que se revelou demasiado grande para Kasatkina recuperar. A espanhola repetiu depois a receita na segunda partida, onde chegou mesmo a liderar por 5-0 e a ter match point na resposta para fechar com um “pneu”, mas Kasatkina conseguiu inscrever o nome no marcador e os parciais finais foram de 6-2 e 6-2. No aspeto estatístico, destaque para a elevada percentagem de pontos ganhos por Badosa na resposta à segunda bola de Kasatkina: 65%.

A final em Sydney marca o terceiro encontro da história entre Barbora Krejcikova e Paula Badosa, com clara vantagem para a espanhola, que venceu os embates da época passada em Madrid e em Indian Wells e com os mesmos parciais, 6-1 e 7-5. Krejcikova discute um torneio WTA pela sexta vez na carreira, depois de ter jogado quatro finais em 2021. A checa vem, de resto, numa série de três finais consecutivas a ganhar (Estrasburgo, Roland-Garros e Praga).

Quanto a Badosa, joga a terceira final WTA da carreira e nunca conheceu o sabor da derrota. Em 2021, a tenista espanhola venceu na terra batida de Belgrado perante Ana Konjuh e conquistou Indian Wells frente a Victoria Azarenka.


Total
2
Shares
Total
2
Share