Borges e Cabral com “história para contar daqui a uns anos”

Sara Falcão/FPT

MAIA – Dois títulos na Maia e saída de 2021 como melhor dupla da temporada. Nuno Borges e Francisco Cabral não tiraram o pé do acelerador e somaram a 15ª vitória consecutiva enquanto parceira para levantarem o quarto troféu nos últimos quatro torneios disputados. No final, em conferência de imprensa, a dupla não escondeu o orgulho pelos feitos alcançados.

Ganhar o sexto título do ano, mais do que qualquer outra equipa, é “especial e gratificante por todo o trabalho que fizemos. Conseguir ultrapassar tudo isto ao lado do Nuno, um amigo de infância, torna tudo muito mais especial”, comentou Francisco Cabral. Borges, entre sorrisos, não deixou de destacar a marca. “Vai ser uma boa história para contar daqui a uns anos. Nem jogamos assim tantas vezes, eu nem me dediquei muito aos pares, houve uma altura que nem consegui competir. As coisas clicaram para nós e não vejo porque parar. Estamos a jogar muito bem”.

“Não tínhamos nada disto em mente, mas vimos que é possível e não é só um sonho. Trabalhámos para isto. É tudo fruto do nosso trabalho juntos”, salientou o maiato Nuno Borges, que este domingo joga ainda a final de singulares do Maia Open II. Para Cabral, a grande eficácia da parceria resume o “progresso feito” por ambos.

Com os dois títulos na Maia – muito especial também para o portuense por ser o local onde sedeia os seus treinos -, Borges e Cabral conseguiram amealhar quatro títulos em Portugal (e ainda uma final no CIF), juntando aos já conquistados em Oeiras e em Braga. “Ganhar dois torneios seguidos surpreende-me porque é preciso manter consistência e qualidade de jogo duas semanas seguidas. Mas acreditava que era possível”, frisou Cabral. 


Total
28
Shares
Total
28
Share