Qualifying do US Open chega ao fim: estes são os apurados para o quadro masculino

Pete Staples/USTA

A fase de qualificação do US Open chegou esta sexta-feira ao fim. Com uma pausa pelo meio devido às trovoadas, a última jornada do qualifying teve a presença de um português, Gastão Elias, que esteve a um ponto de garantir o ingresso no quadro principal masculino. Confira nesta notícia a lista de apurados para o quadro principal masculino:

Marco Trungelliti: O tenista argentino de 31 anos vai estar pela segunda vez no quadro principal do US Open, naquela que é a sexta participação. Em 2019, na última vez que esteve em Nova Iorque, Trungelliti conseguiu furar pela primeira vez o qualifying, depois de ter caído na última ronda em 2018. Este ano, o número 198 mundial (já foi 112.º) beneficiou da desistência de Blaz Kavcic (221.º) quando liderava por 6-1 e 2-0 na ronda inaugural, venceu depois Liam Broady (147.º) por 6-4 e 6-4 e eliminou seis match points frente a Aleksandar Kovacevic (410.º) para vencer por 3-6, 7-6[6] e 7-5 e se apurar para o quadro principal. Estreia-se frente ao 29.º cabeça de série, Alejandro Davidovich Fokina (33.º).

Peter Gojowczyk: À décima participação, o alemão de 32 anos vai estar no quadro principal pela quinta vez. Gojowczyk jogou o US Open pela primeira vez em 2012 e a estreia no quadro principal surgiu no ano seguinte e teve continuidade em 2014. Depois disso, um interregno de quatro anos e só em 2018 o ex-número 39 mundial voltou ao quadro principal, que falhou em 2019 e ao qual regressou no ano passado. Esta época, o atual 141.º classificado do ranking mundial deixou pelo caminho Lukas Rosol (212.º) na estreia, com parciais de 4-6, 7-6[4] e 7-5, bateu Robin Haase (219.º) por 6-4 e 6-4 na segunda ronda e fechou a qualificação com os parciais de 6-4 e 6-3 frente a Francisco Cerúndolo (107.º). Estreia-se no quadro principal frente a Ugo Humbert (26.º), 23.º cabeça de série.

Christopher Eubanks: Aos 25 anos, Eubanks prepara-se para jogar o quadro principal do US Open pela terceira vez em cinco participações, sendo que nunca passou da primeira ronda (perdeu frente a Dudi Sela em 2017 e frente a Cristian Garín em 2019). Posicionado no 216.º lugar do ranking ATP (foi 147.º em abril de 2019), o tenista de Atlanta surpreendeu Daniel Elahi Galán (111.º) com parciais de 6-3 e 6-2 na ronda inaugural e deu seguimento com uma vitória por 6-3 e 6-4 sobre Prajnesh Gunneswaran (156.º). Esta sexta-feira, Eubanks disparou 21 ases para superar Sebastian Báez (155.º) por 2-6, 7-5 e 7-6[6] e marcar encontro com o compatriota Frances Tiafoe (51.º) na primeira ronda do quadro principal.

Kamil Majchrzak: Quarto cabeça de série no qualifying, o polaco cumpriu o objetivo e vai disputar o quadro principal do US Open pela terceira vez na carreira, num total de quatro aparições. Em 2019 chegou à terceira ronda, mas na época passada ficou-se pela primeira. Atual número 115 mundial, mas com uma passagem pelo 83.º lugar em setembro de 2019, o tenista de 25 anos foi responsável por afastar Frederico Silva (180.º) na primeira ronda, com parciais de 6-1 e 6-4. Daí seguiu-se uma vitória sobre J.J. Wolf (157.º) por 6-3 e 7-6[5] e esta sexta-feira o fecho em beleza do qualifying com uma vitória por 6-1 e 6-2 frente a Jurij Rodionov (140.º). No arranque do quadro principal, Majchrzak defronta o finlandês Emil Ruusuvuori (76.º).

À terceira foi de vez para Oscar Otte, que vai estrear-se no quadro principal do US Open. (Pete Staples/USTA)

Oscar Otte: Aí está um estreante em quadros principais no US Open. Depois de não ter conseguido furar o qualifying em 2018 e 2019, a terceira foi mesmo de vez para Oscar Otte. O alemão, que ocupa o 144.º lugar no ranking ATP, salvou um match point para derrotar Renzo Olivo (214.º) por 6-7[3], 6-0 e 7-6[4], voltou a eliminar um match point para superar Constant Lestienne (248.º) por 6-3, 3-6 e 7-6[6] e esta sexta-feira bateu o espanhol Bernabé Zapata Miralles (117.º), quinto cabeça de série, por 6-4, 3-6 e 6-3. Na estreia no quadro principal, Otte defronta Lorenzo Sonego (23.º), 20.º pré-designado.

Botic Van de Zandschulp: Primeira aparição em Nova Iorque e primeira participação no quadro principal. Um estreante a todos os níveis no US Open, o tenista holandês defendeu o estatuto de sexto cabeça de série — é 118.º no ranking ATP — na fase de qualificação e passou por encontros de três sets em todas as rondas até atingir o quadro principal. Na estreia, venceu Marcelo Tomás Barrios Vera (172.º) por 6-7[1], 6-2 e 6-2 e voltou a ter que operar uma reviravolta diante de Ben Shelton (801.º), na segunda ronda, com parciais de 3-6, 7-5 e 6-4. No derradeiro embate, o “rei das reviravoltas” no qualifying voltou a atacar e bateu Enzo Couacaud (190.º) por 3-6, 7-6[5] e 6-2. Defronta Carlos Taberner (105.º) no arranque do quadro principal.

Evgeny Donskoy: Longe dos tempos áureos (foi 65.º no ranking em 2013), mas um dos qualifiers mais experientes. Hoje com 31 anos, Evgeny Donskoy apareceu no US Open pela primeira vez em 2010, fez a estreia no quadro principal em 2013 e não mais de lá saiu. Por entrada direta ou furando o qualifying, o russo tem sido presença assídua no quadro principal e em 2021, ano em que participa pela 11.ª vez na prova, garantiu a nona participação no quadro. Para isso, o atual número 152 mundial começou por bater Ramkumar Ramanathan (204.º) por 4-6, 7-6[1] e 6-4. Na segunda ronda, Donskoy derrotou o romeno Marius Copil (228.º) por 7-6[6] e 6-4 e fechou com chave de ouro na jornada desta sexta-feira, ao bater Zane Khan (455.º) por 6-4, 5-7 e 7-6[4]. No quadro principal, onde nunca passou da terceira ronda (derrotado por Lleyton Hewitt em 2013), Donskoy estreia-se frente a Felix Auger-Aliassime (15.º), 12.º cabeça de série.

Quentin Halys: O francês de 24 anos vai jogar o quadro principal do US Open pela primeira vez na carreira. Nas quatro tentativas anteriores, entre 2016 e 2019, Halys falhou sempre. O melhor resultado foi a segunda ronda do qualifying, alcançada logo na primeira tentativa, em 2016. Desde então, ficou sempre pelo primeiro encontro, mas este ano já quebrou barreiras. Número 184 no ranking ATP (foi 102.º em 2018), o francês beneficiou de um sorteio simpático na primeira ronda e bateu Samir Banerjee (wild card sem ranking) por 6-1 e 6-0. Depois disso, Halys teve competição mais exigente, mas superou-se. Disparou 18 ases na segunda ronda para derrotar Kacper Zuk (173.º) por 7-6[6] e 6-4 e esta sexta-feira foi mais consistente do que Ernests Gulbis (195.º), que derrotou por 6-4 e 7-5 para se apurar para o quadro principal. Segue-se Dominik Koepfer (56.º).

Maximilian Marterer: Regressa a Nova Iorque pela primeira vez desde 2018 para participar no US Open pela terceira ocasião. Em 2017 furou o qualifying e foi travado por Donald Young na primeira ronda, a mesma eliminatória onde caiu no ano seguinte (teve entrada direta) às mãos de Kei Nishikori. À terceira, Marterer — que em agosto de 2018 era o número 45 mundial — procura uma história diferente. Hoje no 209.º lugar do ranking ATP, o tenista de 26 anos passou por algumas dificuldades durante a fase de qualificação. Na primeira ronda teve de operar a reviravolta frente a Andrea Collarini (240.º), que derrotou por 4-6, 7-5 e 6-2. A imagem da segunda eliminatória foi melhor e Marterer bateu Zizou Bergs (200.º) por 6-4 e 6-4, mas esta sexta-feira foi novamente obrigado a trabalho extra. Ao fim de duas horas e 47 minutos, o alemão derrotou Maxime Janvier (235.º) por 7-6[4], 6-7[7] e 6-4 e garantiu mais uma presença no quadro principal. O próximo adversário é Steve Johnson (86.º).

Holger Rune: Estreante em quadros principais não só do US Open, mas do Grand Slam. O dinamarquês, ex-número um mundial de juniores, é um de três tenistas que garantiram esta sexta-feira a primeira presença em quadros principais dos torneios mais importantes do circuito. No caso de Rune, o feito surge na sequência de dois títulos consecutivos no circuito Challenger, pelo que são já 13 vitórias consecutivas que o nórdico leva. No arranque, Rune bateu o experiente Lukas Lacko (197.º) por 6-4 e 6-4 e deu seguimento a esse triunfo com uma vitória tranquila sobre Mitchell Krueger (175.º) por 6-4 e 6-1. Esta sexta-feira, o dinamarquês teve mais trabalho, mas disparou 14 ases para derrotar Mats Moraing (239.º) por 6-4, 3-6 e 6-3 e marcar encontro com Novak Djokovic na estreia.

Maxime Cressy: O norte-americano de 24 anos repete o feito do ano passado e entra pela segunda vez no quadro principal do US Open. Na época passada, Cressy teve entrada direta via wild card, mas este ano teve de passar pela fase de qualificação, a mesma que disputou em 2019, ano em que fez a primeira aparição em Nova Iorque, e na qual não passou da primeira ronda (perdeu para Nicolas Mahut). Este ano, contudo, a história foi diferente e o tenista nascido em Paris, mas de nacionalidade norte-americana, colecionou três vitórias para entrar no quadro. A viver o melhor momento da carreira, Cressy começou por bater Guido Andreozzi (203.º) por 6-4, 5-7 e 7-5 e prolongou o bom momento com um triunfo por 7-5 e 6-3 sobre João Menezes (227.º). Esta sexta-feira, o número 151 mundial cometeu 14 duplas faltas diante de Ruben Bemelmans (224.º), mas também disparou 18 ases e venceu por 4-6, 6-2 e 7-5 em exatas duas horas de encontro. Segue-se Pablo Carreño Busta (12.º), nono cabeça de série, no caminho de Cressy.

Álex Molcan: O segundo estreante em quadros principais do Grand Slam apurado nesta fase de qualificação. O eslovaco, que ocupa o 138.º lugar no ranking mundial, esteve à beira da eliminação na terceira ronda, mas superou o português Gastão Elias (233.º) por 6-2, 4-6 e 7-6[6], depois de salvar dois match points, para atingir um marco importante na sua carreira. Antes do embate frente a Elias, Molcan já tinha derrotado Kimmer Coppejans (210.º), por 6-3 e 6-3, e Zdenek Kolar (183.º), por 6-4 e 6-3. O turco Cem Ilkel (189.º) é o próximo adversário do tenista de 23 anos.

Antoine Hoang: Terceira participação, segunda presença no quadro principal para o francês Antoine Hoang. O tenista de 25 anos não passou da primeira ronda do qualifying em 2018 (perdeu frente a Christopher Eubanks), mas teve entrada direta no quadro em 2019 e até derrotou Leonardo Mayer antes de cair na segunda ronda para Nick Kyrgios. Dois anos depois, Hoang é o 150.º classificado do ranking (era 98.º na altura) e teve de passar pelas três rondas da fase de qualificação para regressar ao quadro principal do US Open. Na primeira, o gaulês — 28.º melhor cotado do qualifying — superou o wild card Nicolás Moreno de Alborán (346.º) por 6-3 e 7-5. No segundo embate, Hoang saiu vencedor num encontro equilibrado diante de Go Soeda (187.º), com parciais de 7-6[7] e 7-5. Esta sexta-feira, na última etapa, o francês sofreu um “pneu” de Mikhail Kukushkin (129.º) no primeiro set e eliminou um match point no segundo para triunfar por 0-6, 7-6[6] e 7-5. O próximo oponente é Marcos Giron (65.º).

Henri Laaksonen: Aos 29 anos, Henri Laaksonen está no 130.º lugar do ranking ATP. Já foi 93.º em 2017 e os torneios do Grand Slam não são novidade para o tenista suíço, que nasceu na Finlândia. No que diz respeito ao US Open, Laaksonen apareceu pela primeira vez no qualifying de 2013, onde perdeu na estreia para Agustín Velotti. Regressou três anos depois, novamente no qualifying, e venceu Thai-Son Kwiatkowski Laslo Djere antes de cair na derradeira ronda para Ryan Harrison. No ano seguinte, teve a primeira entrada direta no quadro, mas caiu na estreia para Juan Martín Del Potro. Regressou ao qualifying em 2018 e foi derrotado à primeira por Tommy Robredo, antes de voltar a entrar direto em 2019, ano em que conquistou a primeira vitória no quadro principal do US Open (derrotou Marco Cecchinato em cinco sets, antes de cair na segunda ronda para Denis Shapovalov). Dois anos depois, Laaksonen regressou a Nova Iorque e furou pela primeira vez o qualifying para chegar às três presenças no quadro principal. O suíço derrotou Thomas Fabbiano (213.º) por 6-2 e 6-3, bateu Eliot Spizzirri (766.º) por 3-6, 7-6[6] e 6-4 e esta sexta-feira operou uma reviravolta diante de Blaz Rola (179.º) com os parciais de 3-6, 7-6[2] e 6-4. Defronta John Millman (43.º) na primeira ronda.

Cem Ilkel vai estrear-se em quadros principais do Grand Slam e é o segundo turco a fazê-lo, seguindo as pisadas de Marsel Ilhan. (Pete Staples/USTA)

Ivo Karlovic: A idade é só um número. Em 2003, Ivo Karlovic tinha 24 anos e jogava o seu primeiro US Open. 18 anos depois, Karlovic, agora com 42, apurou-se para aquele que será o seu último US Open. Ex-número 14 mundial, o atual 223.º classificado na hierarquia vai para a 18.ª participação no quarto Major da época. Ao longo desta longa jornada, ‘Doctor Ivo’ só não jogou em Nova Iorque na edição de 2010. Na terceira vez em que passou pela fase de qualificação (só em uma das duas ocasiões anteriores não conseguiu o apuramento para o quadro principal), o croata garantiu um bilhete para o quadro pela 17.ª vez. Para isso, começou por superar Nikola Milojevic (160.º) por 6-4 e 7-6[1], tendo depois derrotado Hugo Dellien (137.º) por 7-5, 6-7[1] e 6-2. Esta sexta-feira, no derradeiro desafio, Karlovic disparou 25 ases para derrubar Yuichi Sugita (131.º) por 6-3 e 7-6[5]. No caminho do tenista mais velho da prova está o quinto cabeça de série, o russo Andrey Rublev (7.º).

Cem Ilkel: Holger Rune, Álex Molcan e… Cem Ilkel. O turco completa o lote de tenistas que furaram o qualifying e vão fazer a estreia em quadros principais de torneios do Grand Slam. Ilkel, de 26 anos, surge no 189.º lugar do ranking ATP e está a realizar a melhor época da carreira. Venceu Cedrik-Marcel Stebe (158.º) por 7-6[5] e 6-1 na primeira ronda do qualifying, antes de derrubar Fernando Verdasco (132.º) por 4-6, 6-3 e 6-4. Esta sexta-feira, Ilkel fez história ao vencer Jiri Lehecka (192.º) por 7-6[2] e 6-3: tornou-se no segundo tenista turco a marcar presença num quadro principal de um Grand Slam, depois de Marsel Ilhan. Defronta Álex Molcan, companheiro no que toca a estreias, na primeira ronda.

Total
3
Shares
Total
3
Share