Kyrgios explica desistência: “Não vou colocar o US Open em risco por um ATP 250”

Nick Kyrgios estragou os planos da organização do torneio e dos aficionados que aguardavam ansiosamente por vê-lo em ação ao optar por desistir do ATP 250 de Winston-Salem minutos antes do programado confronto com Andy Murray, que seria o prato forte da ronda inaugural.

Sem sequer entrar em court — foi substituído pelo lucky loser Noah Rubin —, o australiano explicou, em conferência de imprensa, que a decisão teve por base mazelas sentidas no seu joelho esquerdo. Sem motivo para alarmismos, já que se trata de uma precaução para atacar o US Open na melhor forma possível: “Há um par de semanas que sinto algo no joelho esquerdo e, sinceramente, se tivesse jogado só teria piorado, com o US Open aí à esquina. Devo escutar o meu corpo, já que tenho um Grand Slam na semana que vem e por isso devo ser cauteloso. Vou fazer treinos de reabilitação para estar pronto para Nova Iorque.”

O jogador de Camberra lamentou não ter podido dar espetáculo frente ao escocês, mas frisa que fez a melhor escolha tendo em vista o último Major da temporada: “Tenho estado a treinar sem grandes problemas, mas num encontro, onde não poderia controlar as condições e frente a um adversário como Andy, talvez até pudesse ter vencido, mas arriscava-se a não jogar o US Open ou a desistir na ronda seguinte.”

E mesmo tendo uma lesão a dar-lhe dores de cabeça, Nick Kyrgios esclarece que nada o fará viajar para Nova Iorque fora de forma: “Vou estar a 100%. Vou pressionar-me para jogar um ATP 250 ou preparar-me bem para um Slam? Desde criança que todos sonham jogar os Grand Slams, não vou colocar o US Open em risco por um ATP 250. Sinto-me com confiança, só preciso de mais tempo.”

Total
12
Shares
Total
12
Share