Barty vence em Cincinnati e aumenta leque de títulos em 2021 na véspera do US Open

A australiana Ashleigh Barty continua a colecionar títulos no circuito WTA. Depois do triunfo em Wimbledon, a número um mundial venceu este domingo o WTA 1000 de Cincinnati, o último grande evento antes do US Open, e aumentou o número de títulos conquistados na presente época para cinco.

Na grande final, Barty superou a suíça Jil Teichmann (76.ª), que atingiu a final de forma surpreendente depois de uma semana a jogar a um grande nível. A líder do ranking mundial venceu por 6-3 e 6-1, em pouco mais de uma hora, mas teve de se aplicar para desbloquear o marcador.

As duas atletas entraram muito bem no encontro e foram confirmando os jogos de serviço durante grande parte do primeiro set. Teichmann — que foi a tenista com ranking mais baixo a jogar a final de Cincinnati desde 2008, quando Nathalie Dechy era a 92.ª classificada e perdeu a final para Nadia Petrova — não conseguiu incomodar muito com a resposta, ao contrário de Barty, que fez bom uso do seu venenoso slice para tentar desequilibrar os pontos. A australiana espreitou o break logo no segundo jogo, mas a helvética teve sempre um bom serviço para a tirar das situações de maior aperto.

Ainda assim, a quebra de serviço que permitiu a Barty fechar o primeiro parcial acabou por surgir ao oitavo jogo. Ao segundo break point que teve na partida, a australiana capitalizou e fechou de seguida o parcial com um jogo de serviço tranquilo. Durante o primeiro set, o número de winners foi o fator diferenciador entre ambas, já que Barty disparou 16 para apenas cinco de Teichmann. A australiana compensou dessa forma a baixa percentagem de primeiros serviços (48%) no primeiro set.

Quebrada a resistência de Jil Teichmann, Barty entrou de forma autoritária na segunda partida e fez o break logo a abrir. Sem tirar o pé do acelerador, a australiana continuou a desferir golpes certeiros nas aspirações da adversária e Teichmann precisou de um medical timeout quando perdia por 6-3 e *3-0. Já com o pé enfaixado, a menor cotada regressou ao court para terminar o encontro e ainda evitou o “pneu” com um break quando Barty servia para fechar o embate, mas não teve gás no tanque para completar a reviravolta.

Depois das vitórias no Yarra Valley Classic, em Miami, em Estugarda e em Wimbledon, Ashleigh Barty vence também em Cincinnati e soma agora 13 títulos WTA em 19 finais disputadas. A número um mundial é a primeira tenista australiana a vencer em Cincinnati desde Evonne Goolagong, em 1973, e vai chegar ao US Open com a confiança no nível mais elevado. Em termos de ranking, Barty vai superar a marca dos dez mil pontos e chega a Flushing Meadows com uma vantagem de mais de três mil pontos sobre Aryna Sabalenka, a nova número dois do Mundo.


Total
70
Shares
Total
70
Share