Cação e Faria perdem e deixam Idanha-a-Nova sem portugueses nos singulares

Sara Falcão/FPT

Os dois últimos portugueses no quadro de singulares do Circuito Internacional de Ténis de Idanha-a-Nova II foram derrotados esta quinta-feira. Tiago Cação e Luís Faria não conseguiram prolongar a senda vitoriosa no Clube de Ténis de Idanha-a-Nova e despediram-se da prova na segunda ronda.

O tenista de Peniche, sexto cabeça de série e número 529 mundial, cedeu em duas partidas para o menor cotado Alafia Ayeni, 947.º no ranking ATP, pelos parciais de 7-6[9] e 6-4. Cação chegou a dispor de três set points no tiebreak da primeira partida, mas não conseguiu capitalizar. No segundo parcial, Ayeni conseguiu um break madrugador e agarrou-se ao mesmo para alcançar o triunfo e respetivo apuramento para os quartos de final da prova.

Depois de Cação, também Luís Faria ficou pelo caminho. O tenista de 22 anos, 803.º no ranking mundial, ainda “roubou” um set a Anton Matusevich, número 400 do Mundo e primeiro cabeça de série do torneio, mas não conseguiu completar a reviravolta e cedeu por 6-3, 2-6 e 7-6[5] em duas horas e 13 minutos.

Os desaires de Tiago Cação e Luís Faria deixam Portugal sem representação no quadro de singulares, mas ainda há um tenista luso que sobrevive nos pares: Gonçalo Falcão, que se apurou na jornada desta quinta-feira para as meias-finais da variante. Ao lado do japonês Naoki Tajima, o experiente tenista português derrotou o compatriota Tiago Cação e o parceiro deste, Ray Ho, por 6-4 e 7-5.

Total
1
Shares
Total
1
Share