Djokovic tropeça, mas passa por jovem prodígio britânico no arranque da defesa do título em Wimbledon

Novak Djokovic acusou a falta de jogos nas pernas sobre a relva, mas depois de uma entrada em falso conseguiu desenvencilhar-se do jovem Jack Draper (que já tinha brilhado no Queen’s Club) e vencer, por 4-6, 6-1, 6-2 e 6-2, para começar a defesa — e o ataque — do título em Wimbledon com uma vitória numa primeira jornada marcada pelo mau tempo.

Vice-campeão de pares do ATP 250 de Maiorca (onde não jogou sequer a final, por lesão do seu parceiro) no único evento que jogou na relva após a histórica conquista na terra batida de Roland-Garros, o número um mundial precisou de tempo para se adaptar à superfície e ao ténis do jovem adversário, de apenas 19 anos, que aproveitou a ocasião para dar um ar da sua graça e interromper a série de 28 sets ganhos de forma consecutiva por parte do sérvio na primeira eliminatória de Wimbledon.

Destemido, Draper aproveitou o serviço de esquerdino e o facto da cobertura do Centre Court estar em efeito para ganhar alguns pontos “de borla” que o ajudaram a salvar pontos de break e fazer a diferença no primeiro parcial. Mas seria uma questão de tempo até Djokovic afinar o jogo e, depois de alguns tropeções (alguns deles literais…), o primeiro cabeça de série impôs-se e passou para a frente do marcador num piscar de olhos ao ceder apenas três jogos ao longo dos dois sets que se seguiram.

Na hora da verdade, voltou a ser Djokovic quem se revelou mais capaz e com uma quebra de serviço logo ao terceiro jogo o sérvio conseguiu fazer a ferida decisiva, caminhando bem mais tranquilamente para a vitória depois de um começo de encontro que, apesar de nunca ter chegado ao ponto de colocar em causa o resultado final, lhe suscitou algumas dúvidas.

Superado o sempre difícil primeiro passo numa defesa do título, Novak Djokovic — que tem na raquete a possibilidade de igualar, daqui a 15 dias, os arquirrivais Roger FedererRafael Nadal com 20 títulos em torneios do Grand Slam — terá de aguardar várias horas para conhecer o próximo adversário, tudo porque a chuva que se faz sentir desde manhã adiou todos os encontros dos courts exteriores, incluindo o de João Sousa. Para já, o tenista de Belgrado sabe apenas que terá pela frente o vencedor do duelo entre o qualifier chileno Marcelo Tomas Barrios Vera e o sul-africano Kevin Anderson, finalista em 2018.

Total
1
Shares
Total
1
Share