Frederico Silva após a vitória: “Sabia que não ia ser nada fácil”

Sara Falcão/FPT

OEIRAS — O caldense Frederico Silva foi esta segunda-feira o primeiro tenista português a entrar em prova no quadro principal do Oeiras Open 125 e, consequentemente, a apurar-se para a segunda ronda. O número três nacional virou o resultado frente a Jason Jung, após um primeiro set menos conseguido, e mostrou-se satisfeito pelo triunfo.

“O mais importante hoje foi mesmo a vitória. Num torneio tão forte como este todos os jogos seriam difíceis, ainda para mais uma primeira ronda. Sabia que não ia ser nada fácil e, apesar de ter ganho nas duas vezes em que joguei com ele, foram sempre jogos muito equilibrados”, começou por dizer o tenista luso, que esta semana ocupa o 169.º lugar no ranking ATP (máximo de carreira).

Ainda sobre o encontro, Frederico Silva considera que o jogo iria depender mais de si do que de Jung, mas reconhece ter entrado muito mal no encontro: “Sabia também que o jogo poderia depender mais de mim, que nestas condições poderia ter alguma vantagem e o jogo dependeria mais da qualidade que eu conseguisse impôr no jogo, coisa que me faltou no primeiro set. Entrei bastante mal, um pouco mais tenso do que estava à espera, mas tentei ir aos poucos melhorando o meu nível, ir entrando no jogo e fiz um esforço bastante grande para equilibrar o jogo e passar para a frente no segundo set“.

Na origem das dificuldades enfrentadas esteve também o “jogo pouco habitual em terra” que Jung possui e que obrigou o tenista de 26 anos a levar mais tempo para se adaptar. “Nos últimos torneios defrontei jogadores com bolas mais altas, que dão mais tempo. Ele vinha sempre com bola baixa e chapada e não foi fácil encontrar a melhor forma de jogar”, acrescentou o pupilo de Pedro Felner, que revelou ainda preferir “pisos rápidos lentos e terras batidas rápidas”.

Apesar das dificuldades, Frederico Silva afirmou ainda estar “satisfeito por ter conseguido ganhar hoje e ter mais uma oportunidade na quarta-feira”, deixando ainda a garantir de que “vai ser um jogo melhor”. No que toca ao peso de um torneio desta categoria em termos de ranking, o tenista das Caldas da Rainha admitiu que “estes torneios obviamente são os que fazem a diferença”, mas garante que tentou ver isso “como uma motivação e não pressão”. Frederico Silva adiantou ainda que “o objetivo principal agora é chegar ao top 150”, que está à distância de 19 lugares.

Na segunda ronda, o tenista português vai defrontar Facundo Bagnis ou Carlos Taberner, pelo que fez uma pequena análise sobre cada um dos possíveis adversários: “Conheço os dois mais ou menos, mas acho que nunca joguei contra nenhum. Tenho ideia do Bagnis estar a fazer um ano muito bom, fez final ATP [em Santiago] e é um jogador que joga muito bem neste tipo de pisos. É um especialista, assim como o Taberner, que também tem tido ótimos resultados em Challengers. Vai ser um jogo diferente, hoje era um adversário mais de piso rápido, na próxima vai ser contra um especialista em terra. Vamos aproveitar amanhã para recuperar, treinar, afinar algumas coisas importantes e quarta-feira vou estar bem e dar o meu melhor para ganhar mais um jogo”.

Total
1
Shares
Total
1
Share