Paula Badosa continua a brilhar e alcança meias-finais históricas em Madrid

A protagonizar o melhor arranque de temporada da carreira, Paula Badosa voltou a destacar-se e inaugurou a jornada do Mutua Madrid Open com uma vitória que fez dela a primeira tenista espanhola da história do torneio a alcançar as meias-finais — que são também as mais importantes de sempre para a jogadora de 23 anos, por serem as primeiras em WTA 1000.

Com uma exibição a roçar a perfeição, a wild card da casa (62.ª classificada no ranking mundial) prolongou a semana de ouro na Caja Mágica ao aplicar os parciais de 6-4 e 7-5 à oitava cabeça de série e número 11 mundial, Belinda Bencic, depois de 1h49.

A vitória desta quarta-feira foi a segunda no espaço de duas semanas frente à suíça, uma das jogadoras que Badosa derrotou a caminho das meias-finais do WTA 500 de Charleston, no qual se destacou sobretudo por surpreender a número um mundial, Ashleigh Barty.

Se na terra batida norte-americana precisou de três parciais para passar por Bencic, esta quarta-feira Badosa resolveu o assunto em duas partidas, apoiada numa pancada de serviço mais eficaz do que o habitual (venceu 81% dos pontos disputados no primeiro serviço) que a ajudou a enfrentar apenas dois pontos de break — ambos anulados.

Treinada pelo ex-tenista Javier Marti (finalista do Porto Open em 2017, ano em que João Monteiro se sagrou campeão), Paula Badosa tornou-se na primeira tenista espanhola de sempre a chegar às meias-finais do Mutua Madrid Open. Para chegar à primeira final da carreira, a jogadora da casa terá de enfrentar uma campeã de torneios do Grand Slam: ou Ashley Barty ou Petra Kvitova, vencedora em Madrid em 2011, 2015 e 2018.

 

Total
2
Shares
Total
2
Share