Luís Faria: “Depois de salvar seis match points só queria ganhar o meu primeiro e respirar fundo”

Sara Falcão/FPT

OEIRAS — Não um, não dois, não três, não quatro, não cinco, mas seis match points: Luís Faria escapou in extremis à derrota e de forma heróica inscreveu o nome na última ronda do qualifying do Oeiras Open, um resultado que lhe valeu a primeira vitória da carreira no ATP Challenger Tour.

A vitória deste domingo foi conseguida frente ao número 366 do mundo, o ucraniano Vladyslav Orlov, e no final o alívio era bem visível na expressão do jovem vimaranense: “Foi muito complicado salvar seis match points, mas vários foram no meu serviço e isso ajudou-me, porque salvei alguns logo com a primeira pancada. Depois no meu match point só queria ganhar aquele ponto e ele fez uma dupla falta, o que foi muito bom porque deu para respirar fundo e festejar.”

Aos 21 anos, Luís Faria confirmou que “nunca tinha salvo seis match points, no máximo dois ou três” e não escondeu que o encontro deixou “algumas mazelas físicas”, mas não se mostrou preocupado em relação à recuperação para segunda-feira, dia em que discutirá um lugar no quadro principal com Manuel Guinard (319.º).

“Já joguei contra ele em piso rápido e acho que aí é mais complicado, porque ele é um jogador alto e tem um bom serviço. É um muito bom jogador e venceu esse primeiro encontro, mas desta vez espero ganhar eu”, rematou o jogador do Centro de Alto Rendimento da Federação Portuguesa de Ténis.

Total
3
Shares
Total
3
Share