Um repetente e dois estreantes: os vencedores da semana nos Challenger

O circuito Challenger esteve esta semana espalhado um pouco por todo o mundo, com provas em Santiago (Chile), Cleveland (Estados Unidos) e Biella (Itália), que recebeu o quarto evento da categoria esta temporada. Entre os vencedores da semana está o argentino Sebastian Baez, que já tinha ganho um torneio Challenger esta temporada (em Concepción), mas também os “estreantes” Bjorn Fratangelo e Daniel Masur.

Challenger de Santiago

O argentino Sebastian Baez voltou a ser muito feliz no Chile, tendo ganho o Challenger de Santiago depois de já ter conquistado um título da categoria em Concepción. Baez, que iniciou a semana no 253.º lugar do ranking ATP, mediu forças na grande final com o chileno Marcelo Tomás Barrios Vera (263.º). Antes, no entanto, vamos perceber o caminho que ambos trilharam até à grande final.

Inserido na metade superior do quadro, Marcelo Tomás Barrios Vera iniciou a campanha no país natal com uma vitória sobre o sueco Christian Lindell (329.º), com os parciais de 4-6, 6-1 e 7-6(4). Na segunda ronda, o tenista chileno surpreendeu o belga Kimmer Coppejans (168.º), sétimo cabeça de série, com os parciais de 6-4 e 6-4 e marcou encontro com o compatriota Gonzalo Lama (662.º) nos quartos de final. Nesse encontro, Barrios Vera venceu por 7-6(4) e 7-6(5) e atingiu as meias-finais, onde defrontou o brasileiro Felipe Meligeni Alves (235.º), que tinha afastado o português Pedro Sousa (110.º) na segunda ronda. Depois de ter ganho o primeiro parcial por 7-6(5), Barrios Vera beneficiou da desistência do adversário na segunda partida, quando o marcador assinalava o resultado de 1-1, e garantiu um lugar na grande final.

Na outra metade do quadro, Sebastian Baez começou a semana com uma vitória sobre Holger Rune (317.º), número um mundial de juniores, por 6-2 e 6-4. O argentino defrontou de seguida o compatriota Gonzalo Villanueva (420.º) e venceu por 7-5 e 6-2 para chegar aos quartos de final, onde voltou a defrontar um compatriota. Perante Camilo Ugo Carabelli (353.º), Baez arrasou e os parciais de 6-2 e 6-1 colocaram-no no caminho do peruano Juan Pablo Varillas (162.º) nas meias-finais. Uma vez mais, o argentino venceu em sets diretos, com parciais de 6-1 e 7-6(3).

Sebastian Baez era, com alguma naturalidade, o teórico favorito para a grande final. O argentino chegou à grande decisão sem ceder qualquer set e assim continuou, ao derrotar Marcelo Tomás Barrios Vera por 6-3 e 7-6(4). O argentino recuperou de um break de atraso no primeiro parcial e eliminou um break point numa altura crucial do segundo set, antes de sair por cima no tiebreak.

O segundo título da temporada no circuito Challenger coloca Sebastian Baez mais próximo da estreia no top 200 mundial. O tenista de 20 anos sobe 37 lugares no ranking e atinge o 216.º posto, um novo máximo de carreira. Marcelo Tomás Barrios Vera também atinge um novo máximo de carreira, ao subir 27 posições para chegar ao 236.º lugar.

Challenger de Cleveland

O circuito Challenger passou também pelos Estados Unidos esta semana, com Bjorn Fratangelo a regressar aos troféus. O tenista de 27 anos conquistou o seu quarto título na categoria, o primeiro desde 2018, ao vencer o compatriota Jenson Brooksby na grande final.

Fratangelo começou a semana na 286.ª posição do ranking ATP, que não lhe conferiu um estatuto de cabeça de série. No entanto, o ex-top 100 mundial não precisou desse estatuto para dominar a metade inferior do quadro. Na primeira ronda, Fratangelo bateu o compatriota Thai-Son Kwiatkowski (222.º ATP), sétimo cabeça de série, com os parciais de 6-4 e 6-2. Seguiu-se mais um compatriota no caminho do tenista nascido em Pittsburgh, no caso Alexander Ritschard (311.º). Uma vez mais, Fratangelo saiu vencedor em sets diretos, com parciais de 6-3 e 6-2. Nos quartos de final, o norte-americano travou o qualifier canadiano Alexis Galarneau (521.º), com o menor cotado a desistir do encontro quando Fratangelo liderava por 6-3 e 5-0. Nas meias-finais, o norte-americano deixou cair o primeiro set da semana perante o qualifier Aleksandar Kovacevic (537.º), mas venceu por 6-3, 2-6 e 6-1.

Na metade superior do quadro, Jenson Brooksby teve uma caminhada semelhante à do outro finalista. O tenista de 20 anos começou a semana no 254.º lugar da hierarquia mundial e logo na primeira ronda precisou de dois tiebreaks – 7-6(4) e 7-6(5) – para vencer o wild card Zachary Svajda (787.º). Na segunda ronda, Brooksby levou a melhor sobre o sexto cabeça de série, o canadiano Brayden Schnur (219.º), por 6-2 e 7-6(5). O norte-americano voltou a jogar um tiebreak nos quartos de final, onde afastou o compatriota Michael Redlicki (400.º) – que tinha derrotado o primeiro cabeça de série, James Duckworth, na primeira ronda – por 7-6(5) e 6-4. Nas meias-finais, Brooksby bateu ainda o pé ao terceiro cabeça de série, Emilio Gomez (177.º) por 2-6, 7-5 e 6-4.

Na final, Bjorn Fratangelo e Jenson Brooksby defrontavam-se pela primeira vez na história. Os dois colocaram exatamente a mesma percentagem de primeiros serviços (67%) ao longo de todo o encontro, mas o mais experiente Fratangelo marcou a diferença na resposta. O antigo número 99 mundial foi mais agressivo na resposta à primeira bola de Brooksby e conseguiu criar mossa. Apesar de só ter aproveitado quatro dos 11 break points que teve à disposição, Fratangelo conseguiu a vitória por 7-5 e 6-4, depois de ter recuperado de um break de atraso no primeiro set.

De regresso aos troféus, o tenista norte-americano sobe 53 lugares no ranking e passa a ocupar o 233.º posto. Brooksby, por sua vez, sobe 23 posições e fica no 231.º lugar, ligeiramente acima do seu adversário na final.

Challenger de Biella 4

Quarto evento, quarto campeão diferente na cidade italiana de Biella. Depois de Ilya Marchenko, Soonwoo Kwon e Andreas Seppi, a vitória final sorriu ao alemão Daniel Masur, que conseguiu conquistar o primeiro Challenger da carreira aos 26 anos numa final perante o compatriota Matthias Bachinger.

Masur, que chegou ao quadro principal através da fase de qualificação, ficou inserido na metade superior do quadro e foi derrotando todos os que se atravessaram no seu caminho. O germânico, que começou a semana no 249.º lugar do ranking, surpreendeu na primeira ronda o japonês Yuichi Sugita (108.º ATP), quarto cabeça de série, por 7-6(4), 6-7(3) e 6-3. O tenista natural de Bueckeburg deu seguimento à boa vitória com um triunfo na segunda ronda frente ao qualifier checo Jonas Forejtek (334.º), por 7-5, 6-7(4) e 6-4, e bateu de seguida o ex-top 40 mundial Sergiy Stakhovsky (195.º) por 7-6(3) e 6-4. Nas meias-finais, o qualifier alemão mediu forças com Ilya Marchenko (169.º), o vencedor do primeiro evento em Biella, e saiu vencedor com os parciais de 6-3 e 6-3.

Na outra metade do quadro, Matthias Bachinger fez exatamente o mesmo trajeto. O tenista de 33 anos, que era o 269.º da hierarquia quando a semana começou, furou toda a fase de qualificação e estreou-se no quadro principal com uma vitória por 7-6(4), 2-6 e 6-4 perante o qualifier Akira Santillan (255.º). Na segunda ronda, Bachinger deixou pelo caminho o terceiro cabeça de série e vencedor do terceiro torneio em Biella, Andreas Seppi (96.º). A vitória por 6-3 e 7-5 colocou o alemão nos quartos de final, onde derrotou o austríaco Sebastian Ofner (152.º). O alemão liderava por 7-6(5) e 1-0 quando Ofner se retirou do encontro e lhe ofereceu o passaporte para as meias-finais, onde o experiente germânico se impôs ao oitavo cabeça de série, Benjamin Bonzi (126.º), por 7-5 e 6-4.

Na final da prova, tanto Masur como Bachinger deram provas da qualidade que possuem no serviço. Juntos, os dois tenistas alemães combinaram 23 ases (nove de Masur, 14 de Bachinger) durante o encontro e procuraram comandar sempre com a primeira bola. No capítulo da resposta, Masur mostrou mais habilidade do que o adversário e por isso também descobriu muitos mais break points (11 contra quatro). No entanto, a eficácia de Masur não foi assim tão maior que a de Bachinger, com o mais experiente a aproveitar três das quatro chances, ao passo que Masur converteu cinco em 11. Ao fim de duas horas e 21 minutos, Masur selou a conquista da prova com os parciais de 6-3, 6-7(8) e 7-5, depois de ter desperdiçado dois match points no tiebreak do segundo set.

No que diz respeito ao ranking, o triunfo de Daniel Masur vale a subida de 36 lugares ao tenista alemão, que assume o 213.º posto e fica mais perto do máximo de carreira (203.º em junho de 2017). Matthias Bachinger também regista uma subida, neste caso de 32 lugares, e chega ao 237.º posto, ainda bem longe do 85.º que ocupou em agosto de 2011.

Total
2
Shares
Total
2
Share