Domínio russo em São Petersburgo: sete das oito quartofinalistas são da casa

Depois de uma jornada de quarta-feira excelente para as cores russas no WTA 500 de São Petersburgo, a jornada desta sexta-feira foi ainda melhor. Todos os quatro encontros do dia terminaram com vitória de uma tenista da casa (e houve inclusive duas que ficaram pelo caminho), o que resulta num dado histórico: sete das oito quartofinalistas são russas e é preciso recuar até 1993 para se ter um país com sete tenistas nuns quartos de final de um torneio WTA. Aconteceu em Oakland, com sete norte-americanas.

A jornada começou com Margarita Gasparyan (126.ª WTA) a bater o pé à checa Katerina Siniakova (69.ª). O confronto direto entre ambas indicava uma vitória para cada lado, mas Siniakova levava vantagem em piso rápido. No entanto, Gasparyan marcou a diferença sobretudo a partir do primeiro serviço e foi quase 100% eficaz nos break points – converteu cinco em seis – para chegar aos parciais de 6-4 e 6-4.

No encontro seguinte, Daria Kasatkina (61.ª) esteve muito perto de sair de cena, mas acabou por conseguir dar seguimento à vitória sobre Clara Tauson na primeira ronda e operou uma reviravolta para superar a bielorrussa Aliaksandra Sasnovich (97.ª). A oitava cabeça de série recuperou por duas vezes de um break de atraso durante o terceiro parcial, desperdiçou um match point a 5-4, cedeu o serviço logo de seguida e conseguiu o contra break quando Sasnovich servia para fechar o encontro. O final atribulado – e dramático – de encontro viu Kasatkina prevalecer no tiebreak, confirmando a reviravolta com os parciais de 5-7, 6-3 e 7-6(2).

Falando em reviravoltas, seguiu-se a de Anastasia Gasanova (241.ª) sobre Anastasia Pavlyuchenkova (45.ª). Num jogo cheio de peripécias, Gasanova conseguiu arrancar com um break de vantagem, mas Pavlyuchenkova respondeu com seis jogos consecutivos e adiantou-se no marcador. Na segunda partida, Gasanova esteve quase sempre em vantagem, chegou a ter um set point quando servia a 5-3, mas só no tiebreak – e depois de salvar três match points – conseguiu forçar um terceiro parcial. O drama continuou no terceiro set, com Gasanova a adiantar-se por 3-0 e a acabar a desperdiçar um match point quando servia a 5-4. O set seguiu para o tiebreak, onde a menor cotada acabou mesmo por completar a surpresa ao terceiro match point.

A fechar o dia, mais um confronto 100% russo entre Kamilla Rakhimova (150.ª) e Veronika Kudermetova (36.ª). A segunda cabeça de série assinou dez ases, venceu 74% dos pontos com o primeiro serviço e quase metade dos pontos na resposta à primeira bola de Rakhimova. Todos estes aspetos ajudaram a que Kudermetova conseguisse reverter a desvantagem de um break na primeira partida e acabasse a vencer o encontro por 7-5, 3-6 e 7-6(5).

Perante o cenário atual, é já um dado garantido que vai haver uma finalista russa. Nos quartos de final, Ekaterina Alexandrova vai defrontar Margarita Gasparyan e a vencedora vai cruzar-se nas meias-finais com a vencedora do embate entre Vera Zvonareva e Anastasia Gasanova. Na segunda metade do quadro, Svetlana Kuznetsova vai defrontar a qualifier romena Jaqueline Cristian – a única não-russa em prova – e Daria Kasatkina vai medir forças com Veronika Kudermetova.

Total
1
Shares
Total
1
Share