Murray critica relaxamento nos protocolos do centro de treinos britânico: “Foi lá que apanhei o vírus”

Depois de uma longa espera, Andy Murray vai regressar à competição esta semana, no Challenger de Biella, em Itália, mas antes de ir a jogo fez questão de criticar as condições que, no seu entender, o terão exposto à covid-19 e, consequentemente, falhado o Australian Open.

“Fiquei muito chateado por falhar o torneio, mas mais importante ainda é que não se trata apenas de um torneio de ténis: ao regressar a casa passei o vírus à minha família e isso preocupa-me”, contou o ex-número um à imprensa britânica.

Murray passou os últimos meses a treinar no National Tennis Center (NTC) da Lawn Tennis Association (LTA) e não tem dúvidas de que foi lá que contraiu o novo coronavírus: “Não posso ter apanhado em mais lado nenhum, porque durante 10 semanas não saí de casa a não ser para ir ao centro de treinos, onde acabaram por aparecer alguns casos. Tenho um carro elétrico, por isso nem parei num posto de abastecimento a caminho dos treinos e não o posso ter apanhado da minha família, porque estavam todos negativos”, acrescentou, antes de tecer críticas ao relaxamento de protocolos que se verificou em particular na época natalícia.

“Acho que as pessoas não se apercebem de que se não seguem as regras estão a colocar outras pessoas em risco. É frustrante”, desabafou Murray.

Antes do britânico, testaram positivo à covid-19 o médico da Lawn Tennis Association e o jovem Paul Jubb.

Total
1
Shares
Total
1
Share