João Maio desvenda: “Ter um campeão português seria uma enorme alegria”

Beatriz Ruivo/FPT

MAIA — As últimas edições dos Challengers em solo português têm sido frutíferas aos interesses nacionais e a Maia não quer ser exceção, como desvendou o diretor do torneio, João Maio, na conferência de imprensa de antevisão.

“Os tenistas portugueses têm aproveitado bem a possibilidade de jogar em casa. O Pedro Sousa e o João Domingues já ganharam em Braga, há um ano o Domingues fez meias-finais aqui e esteve pertíssimo da final e há umas semanas o Pedro fez final no CIF. Estou convencido de que este ano temos boas possibilidades de sucesso.Ter um campeão português seria para nós uma enorme alegria”.

O antigo seleccionador da Taça Davis mostrou-se bastante optimista quando à qualidade do ténis que se jogará na Maia, mesmo que dois jogadores do top100 mundial (Gianluca Magger e Yannick Hanfmann) tenham optado por não atuar no torneio. “É sempre triste existirem desistências, porque quanto melhores são os jogadores, melhor é a qualidade do torneio e mais emoção existe. Mas entendemos perfeitamente que estamos a passar por uma situação que não é fácil, em que existe algum medo de viajar e regras de confinamento. Isto resulta numa situação que não é óptima para os jogadores viajarem, embora eu esteja plenamente convencido de que este ambiente não cria qualquer problema aos jogadores e eles já estão familiarizados com a bolha que foi criada”, considera.

A lamentar há apenas a falta de público no complexo Municipal da Maia, sobretudo porque um dos seis tenistas portugueses do quadro principal é maiato. “Há muita gente aqui que não acompanhava ténis e hoje em dia fazem-no devido ao Nuno Borges. Certamente que se fosse possível muitos viriam assistir ao torneio. Tenho muita pena”, observou o também técnico do número seis nacional.

O Maia Open 2020 arranca este sábado com os encontros do qualifying, no qual vão a jogo três tenistas portugueses: Tiago Cação, Luís Faria e João Monteiro. No quadro principal estão já Pedro Sousa, João Domingues, Frederico Silva e os wild cards Gonçalo Oliveira, Nuno Borges e Gastão Elias.

Total
2
Shares
Total
2
Share