Histórico é dizer pouco: Nadal arrasa Djokovic, vence Roland-Garros pela 13.ª vez e iguala Federer

Que na terra batida manda ele, já se sabia. Que era ele o favorito à vitória em mais uma final, também. E que era ele quem mais história podia fazer, idem. Mas o que Rafael Nadal fez este domingo ultrapassou todas as expetativas — muito provavelmente até as do sempre humilde espanhol: na terra batida do Court Philippe Chatrier, que há muitos anos trata como uma segunda casa, arrasou um dos seus maiores rivais, Novak Djokovic, e venceu por 6-0, 6-2 e 7-5 para conquistar Roland-Garros pela 13.ª vez.

Em poucas palavras, o maiorquino de 34 anos esteve praticamente irrepreensível — ao ponto da sua pior estatística ser, imagine-se, a conversão de pontos de break: venceu 7 de 18. Porque no capítulo do serviço nunca tremeu, na resposta criou dificuldades ao sérvio em todos os jogos do encontro e apesar de ter sido ofensivo do início ao fim (30 winners ) só cometeu 14 erros não forçados, contra 52 do sérvio.

E assim, aos 34 anos, Rafael Nadal fez, provavelmente, a melhor exibição entre as 13 finais que discutiu (e venceu) em Roland-Garros, o palco perfeito para escrever um dos capítulos mais dourados de uma carreira cada vez mais recheada de história: com a vitória deste domingo, a 100.ª em Roland-Garros, o tenista espanhol igualou, pela primeira vez, o grande rival Roger Federer no topo da lista de tenistas masculinos com mais títulos em torneio do Grand Slam, com 20 troféus de campeão.

Em atualização…

Total
21
Shares
Total
21
Share