US Open. Murray fecha a porta à surpresa e arranca vitória dramática na estreia

Dois anos depois, Andy Murray voltou a entrar em court para disputar um encontro de singulares no US Open. Depois dos bons apontamentos deixados no Western & Southern Open, o britânico conseguiu dar continuidade à forma demonstrada e venceu na primeira ronda do Grand Slam nova-iorquino. O tenista de 33 anos enfrentou muitas dificuldades perante Yoshihito Nishioka (49.º), mas “arrancou a ferros” o triunfo, com os parciais de 4-6, 4-6, 7-6(5), 7-6(4) e 6-4.

Foi um Andy Murray lento, com dificuldades no jogo de pés e aparentemente desgastado fisicamente aquele que se viu nos primeiros dois parciais. Apesar disso, o atual número 115 mundial conseguiu criar dificuldades a Nishioka em alguns momentos e foi mesmo o primeiro a dispor de break points. No entanto, Murray não concretizou as oportunidades e o japonês acabou mais tarde por conseguir um único break que lhe permitiu sair na frente do marcador.

O arranque da segunda partida foi horrendo para Murray. O britânico cedeu o serviço por duas vezes consecutivas e Nishioka arrancou com um parcial de 4-0 que praticamente decidiu o segundo set. O antigo número um do Mundo ainda recuperou um dos breaks de atraso e venceu quatro dos últimos seis jogos, mas a reação foi ainda assim insuficiente para impedir que Nishioka ficasse a um set da vitória.

A cometer muito mais erros – ultrapassou os 40 – do que costuma, o tenista nascido em Glasgow cedeu novamente o serviço logo a abrir o terceiro parcial. No entanto, sem nunca atirar a toalha ao chão, Murray partiu para o ataque e foi bem sucedido. O campeão da edição de 2012 recuperou o break de atraso e o set chegou ao tiebreak, onde foi mais forte do que o nipónico e salvou-se da eliminação pela primeira vez.

A quarta partida teve o mesmo destino da anterior: o tiebreak. Antes disso, no entanto, Murray teve que enfrentar alguns break points e até um match point, que conseguiu salvar. No tiebreak, o britânico causou muitos estragos com a resposta e forçou o quinto e último set.

Antes do início da quinta partida, Andy Murray foi assistido em court a um dedo do pé direito, depois de ter sentido desconforto ao bater uma esquerda durante o tiebreak. Ainda assim, o problema não impediu Murray de continuar a cavalgar rumo à reviravolta.

Depois de salvar um break point no jogo inaugural do quinto set, Murray partiu para o ataque na resposta, em busca de alcançar a vantagem. Porém, o britânico continuou a cometer alguns erros e Nishioka aproveitou para também ir confirmando os seus jogos de serviço. Ao quinto jogo, o serviço do antigo número um mundial baixou de qualidade e Nishioka não perdoou. O japonês foi castigando os segundos serviços de Murray e uma dupla falta do britânico confirmou o break a favor do 49.º classificado do ranking.

Novamente numa situação adversa, Andy Murray viu-se obrigado a puxar pela qualidade da sua resposta. O britânico apresentou uma boa variação de jogo e procurou desgastar Nishioka a partir do fundo do court. A estratégia surtiu efeito e Murray devolveu de imediato o break, ao converter a oportunidade com um fantástico lob.

A reta final do set foi dramática, com ambos os atletas a procurarem ao máximo aproveitar os erros um do outro. O primeiro serviço de Murray vacilou em alguns momentos, mas o britânico conseguiu arranjar outros argumentos para confirmar os jogos. Com o resultado em 5-4, Nishioka teve de servir para se manter na discussão da partida. O jogo de serviço do japonês foi parar às vantagens e um winner de esquerda a meio do court deu a Andy Murray o primeiro match point. O vencedor da edição de 2012 aproveitou a primeira chance e assim que a bola de Nishioka aterrou fora da quadra, Murray cerrou o punho e pôde festejar uma vitória épica.

De regresso à segunda ronda em Flushing Meadows, Andy Murray vai cruzar-se com o vencedor do embate entre Félix Auger-Aliassime (21.º) e Thiago Monteiro (83.º). À data de publicação deste artigo, o canadiano ia vencendo por dois sets a um.

Total
2
Shares
Total
2
Share