Francisca Jorge reencontra-se com Inês Murta: “É mais uma final e as finais jogam-se para ganhar”

Beatriz Ruivo/FPT

PORTO — Campeã nacional absoluta em 2017, 2018 e 2019, Francisca Jorge está a um passo de revalidar o título. A tenista vimaranense somou mais uma vitória em dois sets para marcar encontro com Inês Murta, a adversária que teve pela frente nas últimas três de quatro finais que já disputou neste pós-quarentena — e contra quem perdeu nas duas últimas semanas.

“Joguei bem e estive bem no jogo todo. Mas ela também começou bem, esteve sólida e bastante agressiva e eu não estava à espera que ela pudesse vir a jogar tão bem. Como é óbvio, já estamos na quarta ou quinta semana consecutiva e o ritmo, o nível e a competitividade aumentam, por isso é de esperar que as jogadoras estejam mais agressivas, mais sólidas e que as trocas de bolas sejam maiores, mas não estava à espera que ela entrasse tão agressiva e tão competente. Mas senti-me bem e consegui preparar-me a tempo de lutar pelo jogo e não ficar tão stressada com o que pudesse acontecer. Isso foi bastante positivo, porque consegui ser superior e no segundo set estive ainda mais solta”, analisou a atual detentora do troféu de campeã.

Sobre o duelo decisivo com Inês Murta, vice-campeã em 2014 e 2015, Francisca Jorge frisou que “é mais uma final e as finais jogam-se para ganhar. É importante eu estar lúcida durante todo o encontro e ciente das minhas capacidades, porque sei que estou a jogar bem.”

“Tenho de estar com a cabeça mais tranquila, fazer o meu jogo, soltar-me mais e não pensar tanto no resultado. A Inês vai jogar bem e vai estar solta, tem feito bons resultados e tem tido resultados fáceis porque tem tornado os jogos fáceis. Mas acho que hoje joguei muito bem e isso vai dar-me confiança.”

Total
2
Shares
Total
2
Share