Gastão Elias: “Foi um jogo mental, uma questão de ter forças para aguentar as dores”

Beatriz Ruivo/FPT

PORTOGastão Elias estreou-se esta quinta-feira com uma vitória na edição de 2020 do Campeonato Nacional Absoluto/Taça Guilherme Pinto Basto, mas teve de sofrer para conseguir inscrever o nome nos quartos de final do quadro principal de singulares.

Frente a Fábio Coelho, o ex-top 60 ATP explicou que se tratou de “um jogo mental”, uma vez que foi “uma questão de conseguir ter força mental para aguentar as dores que estava a ter.”

“Infelizmente ainda não estou a 100% do que me aconteceu na semana passada [lesão no adutor da perna direita]. Não sei se o mais correto fisicamente era ter jogado, mas entrei no campo e apesar de estar bastante limitado vi que conseguiria ganhar, por isso dei tudo o que tinha”, acrescentou Gastão Elias, que no Complexo Desportivo do Monte Aventino defende o estatuto de segundo cabeça de série.

Apesar de ter jogado sob temperaturas elevadas — os termómetros chegaram aos 35 graus —, o tenista da Lourinhã desvalorizou a situação, referindo que “vivo mais de metade do ano em Miami, por isso não tenho problemas com a temperatura. Aliás, até gosto, porque acredito sempre que estou melhor do que o adversário e uso isso como uma coisa positiva.”

Apesar do objetivo final ser a conquista do título de campeão nacional, Gastão Elias está focado em “recuperar para amanhã” e encarar o encontro dos quartos de final, que será disputado ou contra João Monteiro, ou contra Duarte Vale. “Vai ser duríssimo, mas sinceramente não estou muito preocupado com o adversário, mas sim com a minha condição física. Se estiver a 100% acredito que terei possibilidades de vencer contra qualquer um dos jogadores que estão a participar neste Campeonato Nacional.”

Total
3
Shares
Total
3
Share