Inês Murta campeã: “Estou muito feliz com a forma como lutei do princípio ao fim”

Beatriz Ruivo/FPT

FIGUEIRA DA FOZ — Depois de terminar a primeira etapa do Circuito Sénior FPT como vice-campeã, Inês Murta não voltou a ser travada: ao título de campeã conquistado no Lisboa Racket Centre, há uma semana, a algarvia juntou mais um, agora no Tennis Club da Figueira da Foz, e no final revelou-se feliz com a forma como conseguiu lutar.

“Estava bastante nervosa. Torna-se pesado jogar três finais contra ela, sei que é sempre um jogo duro e já nos conhecemos muito bem há muitos anos, jogámos juntas na Fed Cup. Estava à espera de uma final mentalmente dura e pesada, mas estou muito contente com a forma como lidei com os nervos e como lutei do princípio ao fim, independentemente do resultado.”

Na final mais equilibrada das três etapas do Circuito Sénior FPT, foram pequenos pormenores que fizeram a diferença nos dois primeiros parciais: “Foram muito equilibrados. A diferença fez-se em poucos jogos, com algumas vantagens. O segundo caiu para o lado dela e ela teve 5-2, mas senti que houve muitos jogos em que estive perto de fechar e não consegui. O início do terceiro set também foi, mas depois ela acusou o cansaço.”

Da Figueira da Foz, o ténis nacional segue para a cidade do Porto, onde este domingo já arrancou a edição de 2020 do Campeonato Nacional Absoluto, que foi antecipado para fazer parte de um “mês non-stop” da retoma do ténis competitivo em Portugal.

Gaspar Ribeiro Lança
gasparlanca@raquetc.com | Dar palavras a um encontro de dois, três, quatro ou cinco sets, com ou sem tie-break. Dar palavras a histórias, a recordes. Dar ténis a todos aqueles que o queiram. E mais, sempre mais — por isso depois chegaram o padel, o ténis de mesa e o squash. E assim cá estamos, no Raquetc ("raquetecétera"). Como escreveu Pessoa, "primeiro estranha-se, depois entranha-se."