Nuno Borges: “Senti-me a cair para o lado negro e manter-me positivo foi a chave”

Beatriz Ruivo/FPT

FIGUEIRA DA FOZ — Nuno Borges não escondeu a satisfação com a passagem à segunda final em três semanas de Circuito Sénior da Federação Portuguesa de Ténis, desta vez ao beneficiar da desistência de Frederico Silva pouco depois do terceiro set começar.

“Foi um jogo complicado enquanto durou. Senti muitas emoções diferentes, senti-me bem e senti-me mal. Senti-me ‘on edge’, a cair para o lado negro, um bocadinho sarcástico e negativo. Tentar manter-me positivo e confiante foi a chave para conseguir ganhar o segundo set“, revelou o maiato.

“Vai ser algo que com que eu vou ter de lutar durante a minha carreira, tenho muita tendência a expressar-me muito e às vezes não me ajuda, mas manter-me lá mentalmente foi a chave para conseguir continuar a competir”, acrescentou Borges, que na semana passada foi travado por Frederico Silva na fase de grupos do torneio que se jogou no Lisboa Racket Centre.

A sentir-se “bem e confiante”, o jogador da Escola de Ténis da Maia acrescentou que “os jogos que tenho feito têm demonstrado que estou a trabalhar bem e no caminho certo. Amanhã é fazer o mesmo, porque isto é mais um passo no meu desenvolvimento e tenho mais um jogo para desfrutar.”

Na final, Nuno Borges vai defrontar ou Luís Faria, ou Duarte Vale, que estavam em pleno segundo set quando a chuva e a trovoada interromperam o desenrolar do encontro. Independentemente do adversário, o jogador maiato reconheceu que se sente favorito. “Sinto alguma obrigação, mas sem dúvida que vai ser um jogo complicado e tenho de estar no meu melhor para poder ganhar.”

Total
2
Shares
Total
2
Share