Hugo Maia vence batalha ao luar e encontra ídolo Gastão Elias

Beatriz Ruivo/FPT

LISBOA — Foi uma jornada longa e animada aquela que se concluiu já perto da uma da madrugada no Lisboa Racket Centre, onde sob um luar intenso foram conhecidos os nomes dos quatro jogadores apurados para o quadro principal masculino do segundo torneio do Circuito Sénior FPT.

A grande figura do dia acabou por ser Hugo Maia, que depois de derrotar Duarte Melo (6-2 e 6-1) no court central do clube lisboeta regressou à ação para vencer uma batalha ao luar contra Martim Leote Prata, só concluída com os equilibradíssimos parciais de 6-4, 6-7(2) e 6-3 quando os ponteiros do relógio já estavam perto de assinalar a primeira hora do novo mês.

O jogador do Clube de Ténis de Braga precisou de puxar pelos galões para derrotar o tenista do Clube de Ténis do Paço do Lumiar, que esteve perto de reagir ao “wild card” que recebeu da organização com uma campanha perfeita no “qualifying” uma semana depois de ter brilhado no CETO, onde se sagrou vice-campeão do Open de Oeiras.

No final, coube ao próprio Hugo Maia a tarefa de retirar as fichas que deram a conhecer a sorte dos quatro jogadores que ultrapassaram a fase de qualificação — e o resultado não o poderia ter deixado mais feliz: “Grupo 3, Gastão Elias, Luís Faria e Hugo Maia”, anunciou o juíz-árbitro”.

“Gostei do sorteio porque gosto imenso de ver o Gastão jogar, é o meu ídolo no ténis português e por isso queria defrontá-lo”, revelou logo após dar por concluído um dos dias mais longos da carreira.

De resto, ficou a saber-se que o Grupo 1, onde estão João Sousa (primeiro cabeça de série) e João Monteiro (“wild card”), fica completo com o nome de Tiago Torres. O número três do “ranking” nacional começou o dia a superar Pedro Rodrigues, por 6-0 e 6-0, e terminou de forma bem mais equilibrada, precisando de três “sets” e, sobretudo, muita perseverança para dar a volta a Francisco Cabral (2-6, 7-5 e 7-6[4]), que chegou a estar a um ponto de agarrar uma vantagem de 6-2 e 5-2.

Na semana passada, Tiago Torres já tinha confessado a vontade de ser sorteado no mesmo grupo que o melhor tenista português de todos os tempos. Ficou no de Gastão Elias, o segundo melhor da história no “ranking” ATP, e agora espera “conseguir usar essa experiência para reagir melhor em certos momentos”.

A Frederico Silva (193.º ATP) e Nuno Borges (599.º), no Grupo 2, juntou-se ainda Fábio Coelho (1315.º). O jogador da Escola de Ténis da Maia derrotou Henrique Rocha, por 6-7(10), 6-2 e 6-1 no início do dia, e José Ricardo Nunes, por 6-2 e 6-2, para concluir a primeira fase da semana.

E Tiago Cação (547.º) e Duarte Vale (“wild card”), no Grupo 4, terão a companhia de Pedro Araújo (1411.º), que na última semana brilhou rumo à final na Vale do Lobo Tennis Academy, primeiro como “qualifier” e depois como “alternate”, e que entretanto já somou três triunfos no Lisboa Racket Centre, dois dos quais esta terça-feira: 6-0 e 6-1 a Miguel Gomes, 6-3, 4-6 e 6-3 contra Diogo Marques.

Ainda nesta terça-feira disputaram-se quatro dos oito encontros da primeira ronda do “qualifying” feminino: a primeira cabeça de série Inês Oliveira liderava por 5-7, 6-2 e 4-0 quando a adversária, Alexandra Roque Silva, desistiu, lesionada; Solomiya Rohovets derrotou Constança Azinhaga por 6-1 e 6-0; Matilde Morais superou Mariami Akhalaia por 6-2 e 6-0; e Elizabet Hamaliy venceu Mafalda Guedes por 6-4 e 6-2.

Na quarta-feira conclui-se a fase de qualificação feminina e iniciam-se ambos os quadros principais, com os encontros entre os segundos e terceiros jogadores no torneio masculino e os duelos entre as cabeças de série e as segundas melhores tenistas de cada grupo na prova feminina.

Gaspar Ribeiro Lança
gasparlanca@raquetc.com | Dar palavras a um encontro de dois, três, quatro ou cinco sets, com ou sem tie-break. Dar palavras a histórias, a recordes. Dar ténis a todos aqueles que o queiram. E mais, sempre mais — por isso depois chegaram o padel, o ténis de mesa e o squash. E assim cá estamos, no Raquetc ("raquetecétera"). Como escreveu Pessoa, "primeiro estranha-se, depois entranha-se."