Francisca Jorge e Nuno Borges de acordo: “Temos muita sorte por termos estes torneios”

Sport TV

LISBOAFrancisca Jorge e Nuno Borges foram os convidados desta terça-feira do programa “Manhã Informativa”, da Sport TV, que deu destaque ao ténis e aos primeiros campeões do novo Circuito Sénior da Federação Portuguesa de Ténis, que destacaram a importância das três provas que foram criadas para oferecer semanas competitivas aos jogadores portugueses antes do regresso dos circuitos internacionais.

“A federação fez um excelente trabalho ao proporcionar-nos estes torneios e participarmos todos juntos é incrível. É de valorizar a oportunidade que temos e que muitos países não têm”, destacou a vimaranense de 20 anos, que sobre a campanha na Vale do Lobo Tennis Academy e a final, contra Inês Murta, afirmou que “mostrámos que apesar desta paragem não perdemos o nosso valor e demonstrámos que tanto as raparigas como os rapazes podem jogar a um bom nível.”

O maiato de 23 anos concordou: “Temos sorte por ter estes torneios, a federação fez um bom trabalho ao juntar os melhores jogadores portugueses para podermos competir e apesar de [os torneios] não contarem para o circuito internacional são aquilo de que todos precisamos neste momento, que é competir.”

Sobre o encontro que lhe deu o segundo título em duas semanas (já tinha ganho o Open de Oeiras), Francisca Jorge referiu que “uma final joga-se para ganhar e eu entrei mais tranquila. Estava a conseguir fazer bem as coisas, mas no meio do segundo set senti o nervosismo de estar à frente, a responsabilidade, e aí ela libertou-se e jogou mais, o que proporcionou um bom jogo. Mas depois consegui ser superior e isso fez a diferença.”

Quanto a Nuno Borges, o tenista natural da Maia recordou com emoção as duas vitórias mais mediáticas da semana, frente aos dois melhores portugueses de sempre o ranking mundial: João Sousa, ainda na fase de grupos, e Gastão Elias, nas meias-finais. “Sinceramente nunca tinha pensado sequer em fazer frente a estes jogadores. Cresci a vê-los jogar e só por estar a aquecer e a jogar contra eles já estava muito feliz. Claro que a final [em que derrotou Pedro Araújo] foi a cereja no topo do bolo, principalmente depois de todo este tempo sem competir e de uma lesão. Foi impecável.”

Convidados a antever as próximas semanas, os dois jogadores portugueses deixaram clara a ambição que os caracteriza.

“A expetativa é sempre dar o máximo em todos os encontros e chegar à final, sentirmo-nos bem em campo e atingir o nosso melhor nível, mas também desfrutar dos encontros, porque estes são pequenos passos para um grande, que são os torneios internacionais”, concluiu Francisca Jorge, enquanto Nuno Borges prometeu deixar tudo em campo. “Não posso prometer que vou ganhar o torneio outra vez, mas posso prometer que vou dar tudo o que tenho. Isso não significa que jogue tão bem como na semana passada, mas tenciono fazê-lo, quero manter o nível.”

Gaspar Ribeiro Lança
gasparlanca@raquetc.com | Dar palavras a um encontro de dois, três, quatro ou cinco sets, com ou sem tie-break. Dar palavras a histórias, a recordes. Dar ténis a todos aqueles que o queiram. E mais, sempre mais — por isso depois chegaram o padel, o ténis de mesa e o squash. E assim cá estamos, no Raquetc ("raquetecétera"). Como escreveu Pessoa, "primeiro estranha-se, depois entranha-se."