Pedro Araújo: “Foi uma semana muito boa em que consegui ganhar a bons jogadores”

Beatriz Ruivo/FPT

LOULÉ — Chegou ao fim uma das semanas mais inesquecíveis da carreira de Pedro Araújo, que começou no qualifying, destacou-se na fase de grupos e depois foi chamado de volta para substituir um dos melhores jogadores portugueses, acabando com o troféu de vice-campeão nas mãos.

Por isso, o jovem lisboeta de 18 anos só podia sair da Vale do Lobo Tennis Academy satisfeito: “Foi uma semana muito boa, em que apresentei um bom nível e consegui ganhar a bons jogadores. Já tinha perdido com o Pedro Sousa, que toda a gente conhece e sabe como joga, e hoje com o Nuno Borges, que também está a jogar muito bem, mas vim do qualifying e ganhei cinco encontros.”

Sobre a final deste domingo, o jogador da Escola de Ténis Jaime Caldeira reconheceu que sentiu dificuldades na pancada de serviço do adversário: “Ele conseguiu criar-me muitas dificuldades com o serviço e mesmo no fundo do campo, onde eu estava a conseguir equilibrar mais os pontos, ele também bateu muito forte, foi consistente e fez poucos erros. Isso dificultou-me muito a tarefa e quando não se consegue fazer o break é difícil ganhar.”

Depois de uma semana preenchida como esta, uns dias de descanso não seriam de descartar — mas não há tempo: Pedro Araújo jogou na segunda-feira, por duas vezes na terça, depois na quarta e na quinta e outra vez no sábado e no domingo e esta segunda-feira estará de novo no court, mas no Lisboa Racket Centre (onde aliás já tinha treinado no sábado de manhã…) para a primeira ronda do qualifying do segundo torneio do Circuito Sénior FPT.

Não o espera tarefa fácil, uma vez que vai ter como adversário o atual campeão nacional de juniores, Manuel Gonçalves.

Gaspar Ribeiro Lança
gasparlanca@raquetc.com | Dar palavras a um encontro de dois, três, quatro ou cinco sets, com ou sem tie-break. Dar palavras a histórias, a recordes. Dar ténis a todos aqueles que o queiram. E mais, sempre mais — por isso depois chegaram o padel, o ténis de mesa e o squash. E assim cá estamos, no Raquetc ("raquetecétera"). Como escreveu Pessoa, "primeiro estranha-se, depois entranha-se."