Fundo de jogadores não agrada a Thiem: “Muitos deles são pouco profissionais”

O Fundo de Apoio aos Jogadores sugerido por Novak Djokovic, Roger Federer e Rafael Nadal foi bem recebido por muitos tenistas profissionais, mas Dominic Thiem não é um grande entusiasta da ideia.

Ao Krone Sport, o jogador austríaco — que segundo o “apelo” feito pelos Big Three teria de contribuir com 30.000 dólares para ajudar os jogadores entre o 200.º e o 700.º lugar do ranking — referiu que “nenhum dos jogadores com um ranking mais baixo está necessariamente a lutar pela sua vida, nenhum deles vai morrer à fome”.

Com uma visão meritocrática sobre o assunto, o número três do mundo e vice-campeão de Roland Garros nos dois últimos anos explicou ainda que conhece bem o circuito ITF “porque joguei lá durante dois anos e há muitos jogadores que não se comprometem totalmente com o desporto e que não são tão profissionais quanto deviam.”

“Para ser sincero, não vejo porque é que devo dar o meu dinheiro a jogadores como esses. Por isso preferia dá-lo a pessoas ou organizações que realmente precisem dele”, completou Thiem, que na mesma entrevista referiu que “nenhum dos jogadores de topo foi presentado [com o sucesso], todos tiveram de lutar para chegar lá”.

Gaspar Ribeiro Lança
gasparlanca@raquetc.com | Dar palavras a um encontro de dois, três, quatro ou cinco sets, com ou sem tie-break. Dar palavras a histórias, a recordes. Dar ténis a todos aqueles que o queiram. E mais, sempre mais — por isso depois chegaram o padel, o ténis de mesa e o squash. E assim cá estamos, no Raquetc ("raquetecétera"). Como escreveu Pessoa, "primeiro estranha-se, depois entranha-se."