Premier 5 WTA de Montreal cancelado devido ao coronavírus

CANADA ROGERS CUP TENNIS

A organização da Rogers Cup anunciou, este sábado, o cancelamento da edição de 2020 do torneio feminino previsto para a cidade de Montreal, no Canadá, devido à pandemia do novo coronavírus.

Com início marcado para o dia 7 de agosto, o torneio (que todos os anos altera as variantes feminina e masculina entre as cidades de Montreal e Toronto) foi cancelado devido às restrições impostas pela região do Quebec, que proibiu a realização de eventos até, pelo menos, ao dia 31 de agosto.

Na reação ao cancelamento do torneio, o Presidente e CEO da Tennis Canada, Michael Downey, não escondeu o impacto que a medida terá no ténis daquele país: “A Rogers Cup é o motor do desenvolvimento do ténis no Canadá. 90% do dinheiro que investimos no desenvolvimento do nosso desporto vem do torneio. 2020 será um ano muito difícil para a nossa organização e antecipamos que as repercussões serão sentidas ao longo dos próximos anos.”

Apesar deste anúncio, que resulta exclusivamente das medidas de contenção canadianas, a WTA esclareceu que ainda não tem planos de cancelar ou adiar outros torneios marcados para depois da data prevista para o recomeço do circuito, a 13 de julho.

O torneio de Montreal seria um dos cinco em 2020 a incluir a categoria Premier 5 (juntamente com Doha, Roma, Cincinnati e Wuhan), a mais importante a seguir aos quatro Premier Mandatory (Indian Wells, Miami, Madrid e Pequim), o WTA Finals e os quatro torneios do Grand Slams.

Para já, a variante masculina da Rogers Cup, marcada para a mesma semana mas na cidade de Toronto, também no Canadá, mantém-se de pé.

Última atualização às 18h47.

Gaspar Ribeiro Lança
gasparlanca@raquetc.com | Dar palavras a um encontro de dois, três, quatro ou cinco sets, com ou sem tie-break. Dar palavras a histórias, a recordes. Dar ténis a todos aqueles que o queiram. E mais, sempre mais — por isso depois chegaram o padel, o ténis de mesa e o squash. E assim cá estamos, no Raquetc ("raquetecétera"). Como escreveu Pessoa, "primeiro estranha-se, depois entranha-se."