Depois de uma vitória “com um sentimento especial”, Rui Machado quer aproximar-se do sonho

Depois de 13 anos a representar Portugal na Taça Davis como jogador, Rui Machado celebrou este sábado a primeira vitória como capitão. A seleção nacional masculina garantiu a presença na ronda de acesso à fase de qualificação para as Davis Cup Finals e deixou o algarvio de 35 anos com “um sentimento especial” e ambição para os próximos desafios.

“É um sentimento especial, sim, porque ainda não tinha sentido a sensação de dever cumprido como capitão, digamos assim. Já a tinha sentido várias vezes como jogador mas não como capitão”, revelou ao Raquetc depois de mais um dia perfeito em Siauliai, onde Portugal bateu a Lituânia por 4-0.

“Se quando jogamos a adrenalina de darmos um ponto decisivo é vivida de forma especial, como capitão é um pouco diferente. Arrisco dizer que se sofre muito, muito mais porque não estamos dentro do campo, estamos sentados a tentar encontrar a melhor maneira de ajudar os jogadores, de lhe passarmos a tranquilidade e isso também desgasta”, completou Rui Machado, que como jogador somou 16 vitórias em singulares e uma em pares.

Sobre o fim de semana perfeito em casa dos adversários, o capitão português destacou a competência da equipa que comanda desde o final de 2018. “Fomos muito competentes, ganhámos e estamos todos muito contentes. O ambiente que se viveu aqui foi muito bom e vamos sair daqui com boas memórias — não só a equipa técnica como os jogadores.”

O ponto decisivo foi alcançado por João Sousa e Pedro Sousa, que venceram lado a lado pela segunda vez consecutiva e deixaram Rui Machado muito satisfeito com a exibição. “Voltaram a fazer um encontro de pares muito bom. Entraram com a mentalidade que decidiu esta eliminatória e com uma intensidade que foram capazes de meter e manter do início ao fim. Foram sempre muito profissionais, com um bom nível de jogo e isso deu um bom resultado.”

E agora… O segundo de três passos em direção ao “sonho” da seleção portuguesa: chegar pela primeira vez à fase final da competição, desde 2019 remodelada e batizada como Davis Cup Finals.

Portugal vai jogar o Grupo Mundial I em setembro e se vencer chega às Davis Cup Qualifiers, em março de 2021. Como Rui Machado destacou, “com este novo formato ou nos aproximamos mais ou nos afastamos mais e hoje conseguimos dar um passo em frente para nos aproximarmos do nosso objetivo, do nosso sonho, que é levar Portugal à fase final. Não depende de nós porque há um sorteio mas claramente gostávamos de jogar em casa mas também saímos daqui mais confiante porque relembrámos que somos capazes de ganhar fora de casa e em qualquer superfície, o que faz com que os nossos jogadores saiam daqui com mais confiança para entrarem nas próximas eliminatórias, sejam em casa ou fora de casa.”

Total
3
Shares
Total
3
Share