Pedro Sousa: “Esperei 30 anos para chegar à minha primeira final, ia jogá-la fosse como fosse”

Argentina Open

Jogou visivelmente limitado pela lesão no gémeo que contraiu nos quartos de final e em vários momentos não se conseguiu mexer, mas desistir da final do ATP 250 de Buenos Aires nunca passou pela cabeça de Pedro Sousa.

A revelação foi feita pelo próprio na derradeira conferência de imprensa na capital da Argentina, em que contou aos jornalistas que “esperei 30 anos para chegar à minha primeira final e ia jogá-la fosse como fosse. Apesar das dores nunca pensei em desistir.”

Sobre o estado físico, Sousa foi peremptório a responder. “Fisicamente estou morto. Vamos ver como é que recuperou para o Rio de Janeiro. Vou viajar e só depois é que decido, provavelmente na terça-feira. Mas estou feliz por ter jogado a primeira e, quem sabe, a última final [ATP] da minha carreira.”

Ao longo da semana, o jogador lisboeta de 31 anos ganhou o carinho de todo o público sobretudo pela sua personalidade e também na última conferência de imprensa deixou um ar da sua graça ao ser questionado sobre a sua popularidade: “Posso ir ao cinema ou jantar fora que não acontece nada. O ténis está a tornar-se popular mas por causa de outro Sousa, não por mim (risos).”

Atualizado às 20h22.

Gaspar Ribeiro Lança
gasparlanca@raquetc.com | Dar palavras a um encontro de dois, três, quatro ou cinco sets, com ou sem tie-break. Dar palavras a histórias, a recordes. Dar ténis a todos aqueles que o queiram. E mais, sempre mais — por isso depois chegaram o padel, o ténis de mesa e o squash. E assim cá estamos, no Raquetc ("raquetecétera"). Como escreveu Pessoa, "primeiro estranha-se, depois entranha-se."