Em busca do segundo título na Austrália, Nadal entra com tudo e fica à espera de João Sousa

Se há torneio do Grand Slam em que Rafael Nadal tem assuntos por resolver esse torneio é o Australian Open, onde perdeu as últimas quatro finais que disputou (2012, 2014, 2017 e 2019) e já não ganha há 11 anos.

Pois bem, esta terça-feira o número 1 do mundo protagonizou um regresso autoritário a Melbourne Park, deixando bem claro o objetivo que tem para os próximos 15 dias. Derrotou Hugo Dellien por arrasadores 6-2, 6-3 e 6-0 em 2h02.

Foi o regresso à ação para Rafael Nadal depois da derrota para Novak Djokovic na final da ATP Cup. E se nesse encontro de atribuição do título o espanhol de 33 anos aparentou estar muito desgastado, esta terça-feira apresentou-se bem em forma. E não houve segredos ou fórmulas complicadas: venceu porque foi, de longe, o jogador mais ofensivo (38 winners) e o mais eficaz (converteu 8 de 18 pontos de break) ao mesmo tempo que conseguiu conter os erros (fez 21 não forçados contra os 34 de Dellien).

Agora, o “Rei” de Manacor espera por… João Sousa. O português defronta Federico Delbonis ainda esta terça-feira (uma jornada recheada com nada mais, nada menos do que 96 encontros) e em caso de vitória vai defrontar o primeiro cabeça de série pela quinta vez, primeira na Austrália.

Atualizado às 07h59.

Gaspar Ribeiro Lança
gasparlanca@raquetc.com | Dar palavras a um encontro de dois, três, quatro ou cinco sets, com ou sem tie-break. Dar palavras a histórias, a recordes. Dar ténis a todos aqueles que o queiram. E mais, sempre mais — por isso depois chegaram o padel, o ténis de mesa e o squash. E assim cá estamos, no Raquetc ("raquetecétera"). Como escreveu Pessoa, "primeiro estranha-se, depois entranha-se."