Em casa manda ele: Jannik Sinner é o novo campeão do NextGen ATP Finals

Peter Staples/ATP Tour

No final da semana convidou-nos a todos para “ver o futuro” e agora, meros dias depois, acabou com todas as dúvidas que ainda pudessem existir: Jannik Sinner é uma das novas estrelas do circuito masculino e promete animar os mais variados palcos pelo mundo fora durante muito, muito tempo.

Como fez por estes dias em Milão, de onde se despede como o novo campeão do NextGen ATP Finals — torneio que por ainda ter só 18 anos será elegível para jogar até… 2022!

A jogar em casa, o jovem Jannik Sinner brilhou da primeira à última instância e este sábado derrotou o primeiro cabeça de série e claro favorito Alex de Minaur (que já é o número 18 do mundo e este ano conquistou três títulos, tendo ainda chegado à final em Basileia) por 4-2, 4-1 e 4-2 para erguer o mais desejado dos troféus.

A “receita” da vitória? Sinner foi simplesmente intransponível sempre que enfrentou pontos de break (salvou os nove que teve pela frente…), puxando do seu melhor ténis para afastar a pressão e revelando nervos de aço que o fizeram subir à rede para travar várias das investidas de de Minaur, um dos jogadores com melhor movimentação no circuito e que nesta final não a conseguiu aproveitar para trocar as voltas ao jogador italiano.

O título não entra para as contagens do circuito masculino porque não é considerado oficial, mas esse torna-se quase um mero detalhe: porque só esta semana Sinner (que saltou do 553.º lugar que ocupa a 7 de janeiro para o 95.º com que chegou a Milão) derrotou Frances Tiafoe (47.º), Mikael Ymer (74.º), Miomir Kecmanovic (60.º) e agora Alex de Minaur, todos jogadores mais cotados.

Para além disso, a nova “coqueluche” do ténis italiano — que em 2019 está a viver um ano para mais tarde recordar, apoiado não só na explosão de Jannik Sinner mas também de Matteo Berrettini (qualificado para o Masters) e de Fabio Fognini — leva para casa um impressionante cheque de 372 mil dólares que reforça o investimento que a ATP tem feito na promoção deste torneio e da nova geração de estrelas antes que Roger Federer, Rafael Nadal e Novak Djokovic — os três maiores nomes desta era — deixem definitivamente os courts.

Quanto a Alex de Minaur, que na véspera se tinha tornado no primeiro jogador da curta história do torneio a garantir a presença em duas finais, falha o título pela segunda vez consecutiva (em 2018 foi derrotado por Stefanos Tsitsipas).

Gaspar Ribeiro Lança
gasparlanca@raquetc.com | Dar palavras a um encontro de dois, três, quatro ou cinco sets, com ou sem tie-break. Dar palavras a histórias, a recordes. Dar ténis a todos aqueles que o queiram. E mais, sempre mais — por isso depois chegaram o padel, o ténis de mesa e o squash. E assim cá estamos, no Raquetc ("raquetecétera"). Como escreveu Pessoa, "primeiro estranha-se, depois entranha-se."