Nadal, Djokovic e Murray lideram elenco de luxo confirmado para as Davis Cup Finals

A menos de um mês do arranque da primeira edição das Davis Cup Finals, a Federação Internacional de Ténis (ITF) divulgou, esta segunda-feira, a constituição das 18 equipas que entre 18 e 24 de novembro vão lutar pelo título na Caja Mágica, em Madrid. Rafael Nadal, Novak Djokovic e Andy Murray são as grandes figuras de cartaz.

A jogar em casa, a Espanha procura o sexto título de campeã mas não tem uma tarefa nada fácil pela frente, uma vez que está inserida no “Grupo da Morte” juntamente com Croácia e Rússia. Os comandados de Sergi Bruguera contam com o regresso de Rafael Nadal, que brevemente vai tomar de assalto a liderança do ranking ATP, e ainda com Roberto Bautista Agut, Féliciano López, Pablo Carreño-Busta e Marcel Granollers.

A Croácia, vencedora da última final da Taça Davis no formato tradicional, conta com Marin Cilic como cabeça de cartaz mas também Borna Coric, Mate Pavic, Nikola Mektic e Ivan Dodig, enquanto a Rússia se faz representar pela grande sensação da temporada, Daniil Medvedev, e ainda Karen Khachanov, Andrey Rublev e Evgeny Donskoy.

Para além de Rafael Nadal, há outros dois nomes muito sonantes a irem a jogo em Madrid: o ainda líder do ranking Novak Djokovic será o líder da Sérvia, que também convocou Dusan Lajovic, Viktor Troicki, Filip Krajinovic e Janko Tipsarevic e tem pela frente um grupo muito difícil com a França (Gael Monfils, Benoit Paire, Jo-Wilfried Tsonga, Pierre-Hughes Herbert e Nicolas Mahut) e Japão (que não conta com Kei Nishikori, lesionado); e Andy Murray, recém-coroado campeão em Antuérpia que terá como parceiros de equipa Daniel Evans, o irmão Jamie Murray e Neal Skupski.

Constituição das equipas de acordo com os grupos em que estão inseridas:

  • Grupo A
    • França: Gael Monfils, Benoit Paire, Jo-Wilfried Tsonga, Pierre-Hughes Herbert e Nicolas Mahut
    • Sérvia: Novak Djokovic, Dusan Lajovic, Viktor Troicki, Filip Krajinovic e Janko Tipsarevic
    • Japão: Yoshihito Nishioka, Yasutaka Uchiyama, Taro Daniel, Ben McLachlan e Yuichi Sugita
  • Grupo B
    • Croácia: Marin Cilic, Borna Coric, Mate Pavic, Nikola Mektic e Ivan Dodig
    • Espanha: Rafael Nadal, Roberto Bautista Agut, Féliciano López, Pablo Carreño-Busta e Marcel Granollers
    • Rússia: Daniil Medvedev, Karen Khachanov, Andrey Rublev e Evgeny Donskoy
  • Grupo C:

    • Argentina: Diego Schwartzman, Guido Pella, Leonardo Mayer e Horacio Zeballos
    • Alemanha: por anunciar
    • Chile: Cristian Garín, Nicolas Jarry, Alejandro Tabilo, Marcelo Tomas Barrios Vera e Hans Podlipnik-Castillo
  • Grupo D:
    • Bélgica: David Goffin, Kimmer Coppejans, Sander Gille, Joran Vliegen e Steve Darcis
    • Austrália: Alex de Minaur, Nick Kyrgios, John Millman, Jordan Thompson e John Peers
    • Colômbia: Daniel Galan, Santiago Giraldo, Alejandro Gonzalez, Juan Sebastian Cabal e Robert Farah
  • Grupo E:
    • Grã-Bretanha: Andy Murray, Daniel Evans, Jamie Murray e Neal Skupski
    • Cazaquistão: Alexander Bublik, Mikhail Kukushkin, Dmitry Popko, Alexsandr Nedovyesov e Andrey Golubev
    • Holanda: Robin Haase, Tallon Griekspoor, Botic Van de Zandschulp, Wesley Koolhof e Jean-Julien Rojer
  • Grupo F:
    • Estados Unidos da América: Frances Tiafoe, Jack Rock, Reilly Opelka, Taylor Fritz e Sam Querrey
    • Itália: Matteo Berrettini, Fabio Fognini, Andreas Seppi, Lorenzo Sonego e Simone Bolelli
    • Canadá: Milos Raonic, Félix Auger-Aliassime, Denis Shapovalov e Vasek Pospisil

As Davis Cup Finals, que vêm substituir o tradicional Grupo Mundial da Taça Davis, reúnem 18 equipas numa só semana. Os conjuntos dividem-se entre 12 qualifiers — que venceram a ronda de apuramento em fevereiro —, as 4 semifinalistas da edição anterior e 2 wild cards.

As equipas são distribuídas por seis grupos de três equipas, com as seis vencedoras e as duas melhores segundas classificadas (com base no número de sets e jogos ganhos) a avançarem para os quartos de final. A partir dessa fase, a competição joga-se no formato de eliminação direta.

Gaspar Ribeiro Lança
gasparlanca@raquetc.com | Dar palavras a um encontro de dois, três, quatro ou cinco sets, com ou sem tie-break. Dar palavras a histórias, a recordes. Dar ténis a todos aqueles que o queiram. E mais, sempre mais — por isso depois chegaram o padel, o ténis de mesa e o squash. E assim cá estamos, no Raquetc ("raquetecétera"). Como escreveu Pessoa, "primeiro estranha-se, depois entranha-se."